Artigo

«12 Anos Escravo» ganha Melhor Filme mas «Gravidade» leva mais Óscares

«Gravidade» foi o filme a vencer mais Óscares, nada menos que sete, incluindo o de Melhor Realizador, mas «12 Anos Escravo» acabou por levar para casa o principal troféu da noite, o de Melhor Filme.

Brad Pitt ganhou o primeiro Óscar da sua carreira como um dos produtores de «12 Anos Escravo», que conquistou o Óscar de Melhor Filme do ano. Esta história verídica realizada pelo britânico Steve McQueen venceu não só o principal troféu da noite como também as estatuetas de Melhor Argumento Adaptado, para John Ridley, e Melhor Atriz Secundária, para Lupita Nyong'o. Porém, em termos numéricos, o campeão dos Óscares foi «Gravidade», que arrebatou nada menos que sete estatuetas: a de Melhor Realizador para o mexicano Alfonso Cuarón, e ainda as de Melhor Fotografia, Montagem, Banda Sonora Original, Efeitos Visuais, Edição de Som e Mistura de Som.

«Golpada Americana», «O Lobo de Wall Street», «Filomena», «Nebraska» e «Capitão Phillips» acabaram por sair de mãos a abanar de uma cerimónia que, em termos de prémios, não falhou nas previsões de quase todos os analistas. As categorias das interpretações foram a melhor prova disso, com as vitórias já esperadas de Matthew McConaughey como Melhor Ator e Jared Leto como Melhor Ator Secundário por «O Clube de Dallas», Cate Blanchett como Melhor Atriz por «Blue Jasmine» e a já referida Lupita Nyong'o como Melhor Atriz Secundária por «12 Anos Escravo». Felizmente, nenhum deles desapontou na altura dos agradecimentos, que ficaram entre os momentos mais emotivos da noite, com Leto a prestar homenagem à mãe, Nyong'o a afirmar que o prémio valida todos aqueles que têm um sonho e McConaughey a terminar a intervenção com o seu emblemático «Awright awright».

«Frozen - O Reino do Gelo» também foi um dos vencedores da noite, ao levar para casa o Óscar de Melhor Longa-Metragem de Animação (o primeiro da Disney nesta categoria) e Melhor Canção para «Let it Go», de Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez, com este último a tornar-se uma das únicas pessoas a alguma vez receber um Emmy, um Grammy, um Tony e um Óscar. O português Daniel Sousa não chegou a ser premiado, com o troféu de Curta-Metragem de Animação a ir parar a «Mr. Hublot», um dos vencedores mais inesperados da noite.

O ultra-criativo Spike Jonze confirmou o seu favoritismo ao ganhar o seu primeiro Óscar pelo argumento original de «Her - Uma História de Amor» e Paolo Sorrentino também não frustrou expectativas ao subir ao palco para aceitar a estatueta de Melhor Filme Estrangeiro pela Itália, por «A Grande Beleza».

O Óscar de Melhor Documentário de Longa-Metragem foi para «20 Feet from Stardom», um filme sobre «back-up singers» que mereceu uma das maiores ovações da noite quando Darlene Love começou a cantar nos agradecimentos. As quatro canções nomeadas também mereceram os mais rasgados aplausos, por vezes de pé, nomeadamente para Idina Menzel, que mostrou o poder das suas cordas vocais com «Let it Go», e Pharrell, que pôs toda a gente a dançar ao som de «Happy». Palmas de pé também foram dirigidas a Bette Midler ao cantar «The Wind Beneath My Wings» no final do tributo aos muitos falecidos do ano, e a Pink ao cantar «Over the Rainbow», na celebração dos 75 anos de «O Feiticeiro de Oz», com os três filhos de Judy Garland na sala, incluindo Liza Minnelli.

No final, quem mais surpreendeu em toda a cerimónia foi mesmo a anfitriã, Ellen DeGeneres, que deu muito mais espetáculo do que se previa ao passar a maioria do tempo no meio do público a meter-se com as celebridades, num desvario de irreverência e boa disposição que envolveu distribuição de pizzas entre os nomeados e uma «selfie» com uma dezena de estrelas que se tornou imediatamente viral e bateu o recorde mundial de retweets.

Veja aqui a lista completa de vencedores.




Veja os vídeos da noite.

Comentários