Artigo

"A Múmia": Tom Cruise continua popular nas bilheteiras... fora dos EUA

O poder internacional de Tom Cruise compensou a desilusão dos valores de bilheteira da estreia americana de "A Múmia".

créditos: SAPO Mag

"A Múmia" ficou em segundo lugar na sua estreia nas bilheteiras dos EUA e o primeiro a nível mundial.

Em primeiro lugar no mercado americano voltou a ficar "Mulher-Maravilha", com 57 milhões, o que faz com que o total nas bilheteiras chegue aos 205 em apenas 10 dias, a que se juntam mais 230,2 no resto do mundo. É um grande sucesso para a atriz Gal Gadot e também para a realizadora Patty Jenkins.

Confirmando que é uma estrela polarizadora nos EUA - ou se gosta ou se detesta -, Tom Cruise não conseguiu evitar que "A Múmia", o primeiro de uma anunciada saga de monstros conhecida por "Dark Universe", só conseguisse 32,2 milhões de dólares no mercado americano.

Para colocar em perspetiva, este valor ficou abaixo dos 43,3 milhões da versão de "A Múmia" com Brendan Fraser em 1999, que marcou o início de uma trilogia que continuou com "O Regresso da Múmia", com uma estreia de 68,1 milhões em 2001, e "A Múmia - O Túmulo do Imperador Dragão", um fracasso que ainda assim começou com 40,4 milhões nos EUA em 2008.

Tom Cruise não consegue ter uma estreia acima dos 37 milhões nos EUA na última década tirando dois títulos da saga "Missão Impossível" e normalmente estes 32,2 milhões seriam um desastre para um filme que custou pelo menos 125 milhões, sem contar com o marketing, e teve más críticas, mas os números de bilheteira dos EUA já não são os únicos que interessam.

O ator continua a ser uma grande estrela mundial e 81,5% das receitas  de "A Múmia" vieram do resto do mundo, com 141, 8 milhões, que são a sua melhor estreia de sempre, batendo os 102,5 milhões de "A Guerra dos Mundos" em 2005. O valor mais impressionante veio da China, onde o filme conseguiu 52,2 milhões. Outros recordes chegaram da Coreia do Sul, Rússia, México e Brasil.

O próximo filme da saga "Dark Universe" será "A Noiva de Frankenstein", que chega a 15 de fevereiro de 2019.

Comentários