Artigo

Anthony Hopkins dá vida a milionário da cerveja em filme sem emoções

«O Rapto de Freddy Heineken» recria a época, mas esquece-se de criar tensão dramática.

O Rapto de Freddy Heineken

«O Rapto de Freddy Heineken» é um filme com poucas emoções e sem ritmo cardíaco. O elenco é interessante, com alguns actores de nova geração e com o veterano Anthony Hopkins nos principais desempenhos, pena que o argumentista esqueceu-se de criar papéis com mais ressonância.

Em 1983, o multimilionário da cerveja, o senhor Heineken (Hopkins) é raptado em Amesterdão, sendo exigido um resgate de vários milhões. A narrativa lida com a anatomia do crime executado por um grupo de amigos que vê no rapto o seu bilhete para uma vida melhor.

Ainda se tenta criar a infeliz noção de que os raptores eram tipos às direitas que, perante a crise económica, vão raptar um capitalista forrado de papel, mas é difícil ter empatia por qualquer personagem e a realização está mais preocupada com a recriação de época do que a direção de atores ou incutir mais tensão dramática em prol da história.

«O Rapto de Freddy Heineken» é uma obra que será apenas recordada como uma curiosidade baseada em factos verídicos.

1 em 5
JORGE PINTO

REVISTA METROPOLIS

Artigo do parceiro

Comentários