Artigo

Aos comandos de uma orquestra digna de um filme

A Lisbon Film Orchestra não é a típica orquestra sinfónica, junta algumas das bandas sonoras mais orelhudas da história do cinema. Mas como é afinal dirigir uma tradicional orquestra com tão pouco de conservador?



Um concerto com Indiana Jones ou Super-Homem como convidados

As bandas sonoras que não nos saem do ouvido

Os espetáculos da Lisbon Film Orchestra (LFO), que integram bandas sonoras de grandes clássicos do cinema tocadas em sincronia com uma montagem de imagens do respetivo filme num grande ecrã, tornaram-se já um dos momentos mais aguardados da temporada de Natal. Após a ausência em 2011, a LFO marcou o seu regresso para um espetáculo único em 2012, a 17 de dezembro, no Teatro Tivoli, e a expectativa foi tal que o concerto esgotou rapidamente. Por esse facto, haverá esta terça-feira uma atuação suplementar, também no Tivoli às 21h30.

O espetáculo deste ano chama-se «Um Concerto, Duas Paixões…», e, como o título indica, inspira-se «em duas paixões... a música e o cinema». No Teatro Tivoli, o Maestro Nuno de Sá volta a conduzir a LFO para mais um espetáculo de gala, com a interpretação de obras de grandes compositores como John Williams ( «Star Wars», «E.T. O Extraterrestre», «Superman», «Sozinho em Casa» e da saga «Harry Potter» e «Indiana Jones»), Lalo Schifrin ( «Missão Impossível»), Danny Elfman ( «Os Simpsons»).

O concerto deste ano conta com as participações musicais especiais de Lúcia Moniz e Henrique Feist na interpretação conjunta, pela primeira vez ao vivo, da música «O Amor Vencerá» do «Rei Leão 2: O Reino de Simba», e com o humorista Carlos Moura a motivar momentos de humor e boa disposição. Segundo Feist «é um prazer e um privilégio enormes cantar este tema em conjunto, pela primeira vez ao vivo, e com a Lisbon Film Orchestra». Lúcia Moniz partilha o mesmo sentimento, reforçando que o tema «é um dos grandes êxitos internacionais da Disney, um sucesso que decerto pela sonoridade e letra vai encantar a plateia».

Comentários