Artigo

As falsas mortes das estrelas de cinema

O anúncio falso da morte de Macaulay Culkin que alastrou pela internet foi apenas o último caso de uma tendência que disparou no século XXI.

Pouco dedicado ao cinema e mais à sua banda The Pizza Underground, Macaulay Culkin regressou às notícias da forma mais inesperada possível com o anúncio da sua «morte» no sábado, 8 de novembro.

Tratou-se, claro está, de uma notícia falsa, um boato posto a circular na internet ao qual o ator do eterno «Sozinho em Casa» reagiu publicando no Instagram uma fotografia tranquilizando os fãs. Mais ou menos: aparecia de olhos fechados a ser carregado por um amigo, numa paródia ao filme «Fim-de-Semana com o Morto» (1989), em que dois empregados transportavam o falecido patrão fingindo que ainda estava vivo.

O ator juntou-se a uma lista dos famosos que tiveram de lidar com o peculiar rumor da sua própria morte. Alguns, como Adam Sandler, Eddie Murphy e Betty White, são vítimas quase todas as semanas, mas este tipo de notícias falsas precede o nascimento da internet e das redes sociais. Eva von Berne, por exemplo, uma atriz menor dos anos 20 do século XX, foi dada como morta em 1930, antecipando um acontecimento que se tornaria realidade apenas em... novembro de 2010, aos 100 anos. Também Gloria Stuart foi dada como morta por um jornal local mais de uma década antes sobreviver ao afundamento de Titanic no filme de James Cameron.

O último grande boato sobre a morte de um ator foi mórbido: envolvia Paul Walker e aconteceu escassas 24 horas antes do trágico acidente de automóvel que lhe tiraria a vida.

Comentários