Artigo

Cinema português marca presença no Festival de Viena

Seis produções e coproduções portuguesas vão ser exibidas no Festival de Cinema de Viena, que decorre de 19 de outubro a 2 de novembro. Entre elas está “A Fábrica de Nada”, de Pedro Pinho.

Seis produções e coproduções portuguesas vão ser exibidas no Festival de Cinema de Viena, que decorre de 19 de outubro a 02 de novembro, e onde também vão estar presentes os realizadores Manuel Mozos e Marta Mateus.

De acordo com comunicado do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), estão integrados na programação da Viennale “A Fábrica de Nada”, de Pedro Pinho, “Ramiro”, de Manuel Mozos, “Farpões, Baldios”, de Marta Mateus, bem como a coprodução luso-francesa “Milla”, de Valerie Massadian.

Além destes quatro filmes, no âmbito de um tributo ao antigo diretor do festival Hans Hurch, que morreu em julho, o produtor Luís Urbano e Mozos escolheram “Vai e vem”, de João César Monteiro, e “Chafariz das Virtudes”, de Manoel de Oliveira.

O ICA recorda que a Viennale atribui prémios para melhor filme, o FIPRESCI, da Associação Internacional de Críticos de Cinema, o prémio do júri dos leitores do jornal Der Standard e o prémio Mehrwert-Filmpreis Erste Bank.

Em 2016, a Viennale selecionou dez filmes de produção ou coprodução portuguesa, de realizadores como João Botelho, Rita Azevedo Gomes, Salomé Lamas, Rodrigo Areias e João Pedro Rodrigues.

Um ano antes, o filme "A uma hora incerta", segunda longa-metragem de Carlos Saboga, recebeu naquele festival o prémio do júri dos leitores do Der Standard.

Comentários