Artigo

Disney à caça do seu terceiro Óscar consecutivo com «Divertida-Mente»

O filme convida os espectadores a mergulhar no cérebro de Riley para entender as suas emoções. Recordamos todos os filmes que representam a magia da Pixar.

A Disney dá mais um passo esta semana para um provável grande ano para o estúdio, não obstante a desilusão com «Tomorrowland», graças a «Divertida-Mente (Inside Out)», a comovente animação criada pela Pixar sobre as emoções de uma menina de 11 anos, com a qual espera fazer história e ganhar o seu terceiro Óscar consecutivo.

O filme foi muito aplaudido na sua estreia no mês passado no Festival de Cannes pelo público e pela crítica, entusiasmados com a originalidade e a riqueza do argumento.

A história foi ideia do genial realizador Pete Docter, um dos pilares da Pixar, que, em 2010, venceu o Óscar de Melhor Filme de Animação com «Up - Altamente!». Também foi responsável por «Monstros e Companhia» e «Toy Story - Os Rivais».

Inspirado pela sua própria experiência como pai, em «Divertida-Mente (Inside Out)» Docter convida os espectadores a mergulhar no cérebro de Riley para entender por que a protagonista sofre tanto e se fecha quando sua família se muda para São Francisco.

Na sua mente, a alegria (Amy Poehler), a tristeza (Phyllis Smith), o medo (Bill Hader), a raiva (Lewis Black) e o nojo (Mindy Kaling) fazem o que podem para que a criança continue sendo feliz, mas são ultrapassados por novos sentimentos de Riley.

No quartel-general da consciência de Riley, as emoções estão constantemente interagindo quando uma decisão tem de ser tomada ou uma sensação aparece.

As emoções embarcam numa viagem incrível através do subconsciente e a imaginação da criança, cheia de música, cor e fantasia, que termina por arrancar lágrimas dos espectadores.

Docter não se cansou em dizer que «não sabe até que ponto desconhecemos o funcionamento das emoções», embora com este filme tenha aprendido que existem «para nos aproximarmos como seres humanos.»

«Todos queremos ser felizes, que nossos filhos o sejam e, acima de tudo, evitar as emoções negativas», indicou durante um encontro com jornalistas em Los Angeles.

«Mas a alegria precisa aprender com a tristeza», apontou.

Segundo contou o realizador em Cannes, para produzir o filme convocaram especialistas, psiquiatras e neurologistas, para compreender melhor o funcionamento da mente e da consciência, incluindo o Dr. Dacher Keltner, professor de psicologia na Universidade da Califórnia, em Berkeley, especialista internacional em emoções humanas.

O filme chega aos cinemas portugueses esta quinta-feira.

Pixar: Todos os filmes

Comentários