Artigo

Estes cartazes nunca chegaram às salas de cinema

«The Art of John Alvin» reúne alguns dos melhores cartazes que o conceituado artista desenhou para filmes, mas também muitos outros que foram rejeitados por uma razão ou outra. Um desfecho que está longe de ser caso único.

Foi editado «The Art of John Alvin», uma coleção retrospetiva de alguns dos melhores trabalhos que o artista John Alvin realizou na arte dos cartazes de cinema. O livro inclui ainda «sketches» e exemplos finalizados que, por uma razão ou por outra, acabaram rejeitados, por realizadores, produtores ou estúdios, e nunca chegaram às salas de cinema. Não poucas vezes eram necessárias mais de 30 versões antes dos cartezes que hoje são conhecidos.

O seu trabalho, desenhado e pintado à mão, permite vislumbrar uma arte que se perdeu, uma vez que a ilustração quase deixou de ser usada nos cartazes atuais. A obra agora lançado tem como objetivo que esse trabalho seja recordado pois, como recorda a sua viúva nas notas introdutórias, «muito do seu trabalho foi criado no anonimato e não tem assinatura ou esta foi removida pelo estúdio, e não tem qualquer crédito».

A carreira de John Alvin começou depois de um encontro por acaso com o «designer» gráfico Anthony Goldschmidt lhe proporcionar o primeiro trabalho: «Balbúrdia no Oeste», de Mel Brooks, em 1974. Seguiram-se trabalhos tão icónicos como os de «E.T. O Extra-Terreste», «Blade Runner - Perigo Iminente», «Gremlins», «A Pequena Sereia», «O Padrinho, Parte III», «A Bela e o Monstro», «Aladdin», «Parque Jurássico», «O Rei Leão», o relançamento de aniversário da primeira trilogia «Star Wars» em 1997, a trilogia «O Senhor dos Anéis» ou as sagas «Harry Potter» e «Piratas das Caraíbas». Alvin faleceu em 2008 de ataque cardíaco e deixou um legado de mais de 130 cartazes.

Para promover o livro, o editor lançou vários conceitos e cartazes de artista inéditos para o primeiro «Parque Jurássico» de Steven Spielberg. O SAPO Cinema reúne alguns desses trabalhos e acrescenta outros de conhecidos filmes com cartazes que também nunca viram a luz do dia por causa das políticas dos estúdios de cinema.



Comentários