Artigo

Fantasporto está cada vez mais nas mãos de quem o frequenta, diz a organização

A 33ª edição do Fantasporto começou hoje com uma sessão dupla esgotada para ver o filme «Mamã» e «Os Sapatos Vermelhos», num evento cada vez mais nas mãos de quem o frequenta, segundo a diretora Beatriz Pacheco Pereira.

«O Fantasporto está cada vez mais nas mãos dos que o frequentam. Dos que sabem que se não fazemos mais é porque não nos deixam», disse Beatriz Pacheco Pereira, durante a sessão oficial de abertura do evento que decorre no Rivoli Teatro Municipal até dia 10 de março.

Perante uma sala cheia, a cofundadora do festival declarou que «o Fantasporto não desarma» e lamentou o «desmazelo que faz com que as cidades percam salas de cinema», bem como o encerramento das companhias de teatro e o «maltratar dos professores», sublinhando a importância da cultura e da educação para o desenvolvimento do país.

Logo de seguida, o filme «Mamã», de Andrés Muschietti, assinala o arranque oficial do festival, com o realizador a lembrar que a curta-metragem na qual o filme é baseado já esteve no Fantasporto em 2009, tendo sido, então, premiada.

A abertura oficial vai contar, também, com uma versão restaurada pelo Instituto Britânico de Cinema (BFI, no original) do clássico «Os Sapatos Vewrmelhos», da dupla Michael Powell e Emeric Pressburger.

Ao longo dos próximos dias, o festival vai atribuir o Prémio por uma Carreira ao realizador português António de Macedo e tem prevista a presença de Manoel de Oliveira no dia 06 de março para assinalar os 70 anos de «Aniki Bobó», primeira longa-metragem do cineasta.

A homenagem a António de Macedo vai contar com a projeção de «Chá Forte com Limão», «O Princípio da Sabedoria», «Os Abismos da Meia-Noite» e «Os Emissários de Khalom», sendo ainda incerto se o cofundador do Centro Português de Cinema vai estar presente.

O Fantasporto vai também destacar algumas estrelas do cinema francês, projetando desde «A Cerimónia», de Claude Chabrol, a «O Último Ano em Marienbad», de Alain Resnais, até «A Princesa com Pele de Burro» de Jacques Demy e «Sem Eira Nem Beira» da mulher de Demy, Agnès Varda.

A abrir o período pré-Fantas esteve «O Planeta Selvagem», de René Laloux, que contou com acompanhamento musical dos Beautify Junkyards, enquanto para encerrar o evento foi escolhido «Robot & Frank», de Jake Schreier.

Em competição na secção de Cinema Fantástico vão estar filmes como «Berberian Sound Studio», de Peter Strickland, que foi considerado um dos melhores filmes de 2012 para a revista Sight & Sound, lista que também incluía o português «Tabu» de Miguel Gomes.

Na Semana dos Realizadores vai estar o Leão de Ouro de 2012 no festival de Veneza, «Pietà», de Kim Ki-Duk, bem como o mais recente do britânico Terence Davies, «The Deep Blue Sea», com Rachel Weisz.

Comentários