Artigo

Festa do Cinema Italiano abre hoje e vai mostrar filme perdido de Orson Welles

A 8½ Festa do Cinema Italiano, montra da recente produção de cinema de Itália, inicia-se hoje, em Lisboa, sob o mote «A Família», e inclui na programação um filme mudo, dado como perdido, do realizador norte-americano Orson Welles.

A sétima edição da Festa do Cinema Italiano abre com o filme «Viva a Liberdade», de Roberto Andó, hoje à noite, no cinema São Jorge, e prossegue, em Lisboa, até ao próximo dia 18, seguindo depois para Coimbra, Porto, Funchal e Loulé, até meados de maio.

Da programação faz parte o filme mudo «Too much Johnson», que Orson Welles rodou em 1938, ainda antes de «O Mundo a seus Pés», e que tinha sido dado como perdido até à sua descoberta em Pordenone, Itália.

A Festa do Cinema Italiano exibe uma versão restaurada deste filme, em parceria com o Pardone Silent Film Festival, que mostrou a obra inacabada de Welles em outubro passado. A sessão realiza-se a 17 de abril, quinta-feira, às 19h00, no cinema São Jorge.

A direção da Festa do Cinema Italiano abrirá portas pela primeira vez ao cinema juvenil, em colaboração com o Giffoni Film Festival, e celebrará, com uma retrospetiva na Cinemateca, o centenário do nascimento de Mario Bava, «um dos autores mais curiosos e brilhantes da história do cinema italiano».

Destaque ainda para a exibição de «Salvo», de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza, premiado em 2013, na Semana da Crítica do festival de Cannes, que está em competição na Festa do Cinema Italiano, e para a recordação de «O Último Tango em Paris», de Bernardo Bertolucci, num cine-jantar no antigo Mercado de Santa Clara, na sexta-feira, dia 11, e no domingo, 13 de abril.

O músico Vinicio Capossela é um dos convidados deste ano da Festa, apresentando o documentário «Indebito», de Andrea Segre, no qual coassina o argumento, sobre a música típica da Grécia.

A mostra italiana irá ainda recordar o escritor italiano Antonio Tabucchi, falecido em 2012, em Lisboa, com a exibição do documentário «Tristana e Tabucchi», de Veronica Noseda e Marcello Togni, e a apresentação de «Para Isabel», o romance inédito do autor agora editado, no dia 16, no São Jorge.

A Festa em Lisboa encerra na sexta-feira 18 de abril, também no cinema São Jorge, com «Il Capitale Umano», o mais recente filme de Paolo Virzì, horas depois do visionamento da versão em 3D do filme «O Último Imperador», de Bernardo Bertolucci, que inaugura este sistema, naquela sala lisboeta.

Comentários