Artigo

Festa do Cinema Italiano com filmes premiados em Cannes e Veneza

Sergio Leone, Fellini, «Cinema Paraíso» e a série televisiva «Gomorra» são outros cartões de visita do festival que começa a 25 de março em Lisboa e passa por outras cidades antes de partir para Angola, Moçambique e Brasil.

Filmes premiados em Cannes e Veneza, uma retrospetiva dedicada a Sergio Leone e a série televisiva «Gomorra» são alguns dos destaques da Festa do Cinema Italiano, que começa no dia 25 de março, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Será ainda exibida, pela primeira vez em Portugal, a nova cópia restaurada digitalmente de «Cinema Paraíso», o popular e premiado filme de Giuseppe Tornatore.

Esta mostra, dedicada ao cinema contemporâneo italiano, cumpre a oitava edição e a programação, hoje apresentada, abrirá com «As Maravilhas», que a realizadora Alice Rohrwacher e a protagonista, a irmã, Alba Rohrwacher, apresentarão em antestreia em Lisboa. O filme conquistou em 2014 o Grande Prémio do júri em Cannes.

Alba Rohrwacher é também a protagonista de «Hungry Hearts», drama de Saverio Constanzo sobre a parentalidade em tempos modernos e que será exibido na secção Panorama. Alba Rohrwacher, o realizador e o ator Adam Driver foram premiados no festival de Veneza.

Da programação, o diretor da Festa do Cinema Italiano, Stefano Savio, sublinhou a existência de filmes em antestreia nacional - e há ainda duas antestreias internacionais - elogiando a relação com as distribuidoras portuguesas, que asseguram a exibição comercial de várias obras.

A Festa exibirá também, e com garantia de estreia comercial, «Que Estranho Chamar-se Federico», documentário de Ettore Scola sobre uma das maiores figuras do cinema italiano, Federico Fellini, que morreu há vinte anos.

«O filme de Scola é uma investigação pessoal sobre a identidade fugidia do grande génio, sobre tudo aquilo que foi a sua permanência no mundo, sem certezas nem nostalgias», afirma a organização.

O encerramento da Festa do Cinema Italiano em Lisboa acontecerá a 2 de abril, com a comédia «O Rapaz Invisível», de Gabriele Salvatores, sobre um adolescente que descobre que o fato que comprou tem o poder de o tornar invisível.

Stefano Savio destaca ainda uma retrospetiva dedicada a Sergio Leone, figura de proa do «western spaghetti», em parceria com a Cinemateca Portuguesa, e que inclui uma versão em cópia restaurada de «Era uma vez na América» e de «O Bom, o Mau e o Vilão».

A Festa do Cinema Italiano abre uma janela para a produção televisiva e exibirá na íntegra «Gomorra», a série de Stefano Sollima, Francesca Comencini e Claudio Cupellini, baseada na obra homónima de Roberto Saviano.

O programa inclui ainda o recente filme «Terra da Fraternidade», documentário luso-italiano de Lorenzo d’Amico De Carvalho, sobre Portugal, a crise económica e a participação cívica dos portugueses nas manifestações ocorridas nos últimos quatro anos.

A secção competitiva contará com «Almas Negras», de Francesco Munzi, "As Belas Coisas», de Agostino Ferrente e Giovanni Piperno, «Incompreendida», de Asia Argento, «Com a Graça de Deus», de Edoardo Winspeare, «Mais Escuro que a Meia-Noite", de Sebastiano Riso, e «Short Skin», de Duccio Chiarini.

O júri integra Ana Sousa Dias, Lidia Ramogida e Francesco di Pace.

Pela primeira vez, a mostra terá programação infantil, intitulada Piccolini, focada em algumas figuras conhecidas, nomeadamente Pinóquio, Topo Gigio e Calimero.

Depois de Lisboa, a Festa do Cinema Italiano segue para o Porto (de 9 a 12 de abril), Coimbra, Loulé e Funchal. Está previsto ainda que chegue a Angola, Moçambique e Brasil.

A Festa do Cinema Italiano é organizada pela Associação Il Sorpasso.

Comentários