Artigo

Filme sobre o Papa Francisco chega em maio a Portugal

"Francisco, Papa do Povo", realizado por Daniele Luchetti, traça o percurso de Jorge Bergoglio, especialmente durante a ditadura militar na Argentina.

“Francisco, Papa do Povo” (2015), de Daniele Luchetti, estreia-se a 4 de maio em Portugal e traça o percurso de Jorge Bergoglio, especialmente a sua ação durante a ditadura militar na Argentina.

O filme dá conta da assistência discreta, mas operacional do jesuíta Jorge Bergoglio, em prol da oposição e dos críticos da ditadura militar que governou a Argentina de 1976 a 1983.

Entre outras ações, o filme relata como Bergoglio acolheu jovens no colégio que dirigia, em Buenos Aires, e os encaminhou para o vizinho Uruguai, como terá conseguido a libertação de uma opositora ao regime grávida de três meses, ou como lutou pela libertação de dois irmãos da sua congregação, que trabalhavam em comunidades desfavorecidas.

A um dos opositores perseguido pelo regime militar, que ficou sem documentos de identificação, Jorge Bergoglio entregou-lhe a sua própria identificação, para este poder passar a fronteira para o Brasil, onde tinha quem o recebesse.

Uma cena dá conta da celebração eucarística por Bergoglio, na residência do general Jorge Rafael Videla (1925-2013), que foi Presidente da República da Argentina de 1976 a 1981. Após a missa, o jesuíta conversou com o militar, tendo feito um apelo pelo respeito dos Direitos Humanos.

Outro destaque do filme é, quando afastado da Argentina, a estudar na Alemanha, em Augsburgo, o jesuíta conhece o culto por Nossa Senhora Desatadora de Nós, por quem passa a ter uma especial devoção, e a recomendar que lhe dirijam preces.

Regressado a Buenos Aires, o sacerdote trabalhou nos bairros da periferia, tendo então sido escolhido para bispo auxiliar da diocese portenha. É nesta qualidade que intercede pelos moradores da “Vila 31”, um dos bairros desfavorecidos da periferia portenha, a quem divulgou o culto por N.S. Desatadora de Nós. O bispo-auxiliar Bergoglio propõe-se mediar o conflito com a municipalidade de Buenos Aires, e foi falar com um executivo da autarquia e, no final, ofereceu-lhe uma estampilha da santa

O filme, protagonizado pelo ator Rodrigo de la Serna, que partilha o papel de Jorge Bergoglio com Sergio Hernández (que faz de Bergoglio já sénior), tem por base uma série televisiva de quatro episódios, a partir da qual foi produzido um telefilme.

A longa-metragem, de 90 minutos, que inclui imagens documentais da proclamação do papa Francisco, no Vaticano, a 13 de março de 2013, estreou-se em 2015.

Além de Rodrigo de la Serna e de Sergio Hernández, o elenco é constituído, entre outros, por Cuyle Carvin, Alex Brendemühl, Mercedes Móran, Muriel Santa Ana, Maximilian Dirr, José Ángel Egido e Leah Allers.

O realizador, que assinou filmes como "O Meu Irmão é Filho Único" (2007) e "A Nossa Vida" (2010), deu especial destaque ao papel de Bergoglio como "mediador discreto" de conflitos, que procura em cada ser humano "um irmão", como afirma numa das suas homilias.

Trailer.

Comentários