Artigo

George Clooney reconhece que desiludiu com «Caçadores de Tesouros»

Numa troca de emails com a responsável do estúdio Sony, a estrela reconhece que nem tudo correu bem com o seu filme «Monuments Men».

Afinal, nem as grandes estrelas de Hollywood são imunes às más críticas.

Na sequência do ataque informático aos servidores da Sony Pictures por um grupo intitulado Guardians of Peace [Guardiões da Paz], uma extensa troca de emails entre Amy Pascal, co-presidente da Sony Pictures, e George Clooney, lança alguma luz sobre a situação de «Monuments Man - Os Caçadores de Tesouros» e a grande ansiedade e falta de confiança do cineasta.

A 29 de janeiro, num email intitulado «Está a ficar pior», Clooney confessa estar tão perturbado com o mau acolhimento ao filme que produziu, escreveu, realizou e protagonizou que não conseguia dormir há 30 horas, pedindo proteção ao estúdio contra as más críticas, desejando apenas que se faça do filme um sucesso.

Pascal responde que a proteção virá de fazer dinheiro na bilheteira, «a melhor vingança», o que leva Clooney a chamar-lhe «a única pessoa a mandar num estúdio que adora cinema», mas também a admitir sentir que deixou todos no estúdio ficarem mal.

«Não era a minha intenção. Peço desculpa. Simplesmente perdi o jeito. Quem diria? Desculpa. Não o voltarei a fazer outra vez».

«The Monuments Man» contava a história do resgate de tesouros artísticos das mãos dos nazis no fim da Segunda Guerra Mundial e apesar de um elenco que incluia também Matt Damon, Bill Murray, John Goodman, Jean Dujardin, Bob Balaban, Hugh Bonneville e Cate Blanchett, acabou por ser uma desilusão comercial.

Comentários