Artigo

Harry Potter reaparece com os primeiros cabelos brancos

O aprendiz de feiticeiro Harry Potter já deixou de ser jovem e começa a ter cabelos brancos. Quem o diz é a própria escritora J.K Rowling, num conto na qual a personagem reaparece vários anos após o último episódio da saga.

Rowling publicou o conto de 1500 palavras no site Pottermore, dedicado ao universo de Harry Potter, e nele coloca-se na pele de Rita Skeeter, jornalista do «Daily Prophet», a relatar uma reunião de ex-alunos da escola Hogwarts. O reencontro ocorre na Patagónia, por ocasião do Mundial de Quidditch, o desporto inventado nos livros de Harry Potter.

Potter, imortalizado no cinema em oito filmes pelo britânico Daniel Radcliffe, tem agora 34 anos e o seu cabelo preto começa a ficar grisalho. O seu amigo Ron Weasley envelheceu mais e seu cabelo ruivo «diminuiu consideravelmente». O relato revela que, «prestes a completar 34 anos, há algumas madeixas grisalhas no cabelo negro do célebre Auror, mas ele continua a usar os reconhecíveis óculos redondos que alguns dizem ser mais adequados a um miúdo de 12 anos desprovido de estilo. A famosa cicatriz em forma de relâmpago tem companhia: Potter tem um corte violento na bochecha direita».

As esposas e filhos de ambos também têm espaço neste falso artigo, em que reencontramos Hermione Granger, Neville Longbottom e Luna Lovegood.

Joanne Rowling, de 48 anos, passou da pobreza à riqueza e à fama com a saga de Harry Potter, que vendeu 450 milhões de livros em todo o mundo e gerou oito filmes de imenso sucesso. Em 2012, a escritora terminou as aventuras literárias do aprendiz de feiticeiro, que agora é alvo de aparições pontuais. Desde março, que Rowling escreve histórias sobre o Campeonato do Mundo de Quidditch de 2014 Quidditch World Cup Finals, como a que surgiu esta terça-feira e pode ser lida gratuitamente no site Pottermore.

Rowling acaba de publicar seu segundo romance policial sob o pseudónimo de Robert Galbraith e doou recentemente um milhão de libras à campanha Better Together, que se opõe à independência da Escócia no referendo de 18 de setembro. A escritora inglesa, que vive em Edimburgo há 21 anos e, portanto, poderá votar - ao contrário dos escoceses que vivem na Inglaterra ou no exterior - expôs no seu site os motivos da doação.

Comentários