Artigo

«Insurgente» domina cinemas, mas dá sinais de fadiga

Ainda assim, a sequela de «Divergente» liderada por Shailene Woodley bate «Cinderela» e chega aos 101 milhões de dólares a nível mundial. Por sua vez «O Atirador», com Sean Penn, desiludiu.

«Insurgente», a segundo filme baseado nas obras de Veronica Roth sobre uma sociedade futurista dividida em fações rígidas baseadas em tipos de personalidade e origem social, chegou ao primeiro lugar nas bilheteiras dos EUA, rendendo 54 milhões de dólares, que sobem para 101 contando com os vários mercados internacionais onde estreou em simultâneo.

Com Shailene Woodley, Theo James, Miles Teller e Kate Winslet, a que se juntam Octavia Spencer e Naomi Watts, as receitas foram ligeiramente inferiores às de «Divergente», que estreou há um ano.

Não obstante, surgem sinais de que a saga está a perder fulgor e levou menos espectadores às salas, pelo menos nos EUA, ao contrário do que sucedeu por exemplo de «Os Jogos da Fome»: para chegar aos 54 milhões, o novo filme beneficiou pela primeira vez do 3D, em que os bilhetes são mais caros.

O último livro, «Convergente», será dividido em dois filmes para estrearem em 2016 e 2017.

Em segundo lugar nas preferências americanas e a começar agora a carreira internacional, está «Cinderela»: já em exibição em Portugal, a fantasia da Disney realizada por Kenneth Branagh vai em 122 milhões de dólares de receitas nos EUA e 250 a nível global.

A desilusão comercial fica por conta da estreia de Sean Penn como herói de ação em «The Gunman - O Atirador», que apesar de realizado por Pierre Morel, o mesmo do primeiro «Taken - Busca Implacável», ficou-se por uns desastrosos 5 milhões de dólares. O filme chega esta semana às salas de cinema portuguesas.

Comentários