Artigo

John Malkovich está em Lisboa a filmar «As Variações de Giacomo»

A ópera de câmara sobre a vida de Casanova que John Malkovich e o encenador Michael Sturminger levaram à cena um pouco por todo o mundo está a ser adaptada ao cinema em Lisboa, com produção de Paulo Branco.

Até 5 de setembro, o Teatro Nacional de São Carlos é o principal local de rodagem da longa-metragem «As Variações de Giacomo», que também passará por outros espaços da capital como o Palácio-Foz e o Palácio do Correio-Mor. O filme adapta ao cinema a ópera de câmara «The Giacomo Variations», encenada por Michael Sturminger e protagonizada por John Malkovich, que nos últimos dois anos e meio correu os principais palcos do mundo, da Europa à Austrália.

A peça retrata o último encontro amoroso de Casanova e o questionamento da sua própria existência, por via da fusão de três óperas de Mozart com libreto de Lorenzo Da Ponte: «Così fan Tutte», «As Bodas de Figaro» e «Don Giovanni». Na versão cinematográfica, esse lado de época (no século XVIII e no castelo da Alemanha onde o libertino escreveu as suas memórias) cruza-se ainda com o presente e as desventuras do próprio John Malkovich em Lisboa. A produção portuguesa é da Alfama Films, de Paulo Branco, com co-produção da austríaca Amour Fou e da alemã X Filmes.

Sturminger é também o realizador do filme e sublinhou em conferência de imprensa que «Lisboa é o melhor lugar do mundo» e que na capital «a crise quase não se sente, nem consigo imaginar como será a cidade sem crise. A maior parte das cidades do Norte da Europa dariam tudo por um ambiente assim».

Logo a seguir a «Linhas de Wellington», Malkovich volta a participar num filme produzido por Branco, e explicou que «começámos com uma peça que cruzava ópera e teatro e gora juntámos-lhe o cinema» adiantando que «o teatro é algo orgânico, efémero e vivo. O cinema é outra coisa».

O elenco integra ainda as portuguesas Maria João Luís, Victoria Guerra e Maria João Bastos (que interpretá uma fã de Malkovich na parcela moderna do filme), bem como Veronica Ferres, Florian Boesch e o célebre tenor alemão Jonas Kaufmann.

Comentários