Artigo

Leilão de bens de Lauren Bacall levanta o véu sobre vida da lendária estrela

A casa de Central Park habitada pela atriz de voz rouca que foi casada com Humphrey Bogart está à venda e imagens do recheio deitam luz sobre a sua intensa vida.

Após exposições em Hong Kong, Paris, Londres e Los Angeles, a Coleção Lauren Bacall, formada por aproximadamente 750 peças que pertenceram à lendária atriz de cinema, será leiloada em quatro sessões entre 31 de março e 1 de abril m Nova Iorque.

A coleção reflete, como salienta a empresa responsável pelo leilão, «o seu extraordinário gosto e notável vida». A atriz faleceu em agosto de 2014 aos 89 anos.

Não se esperem, porém, que sejam colocados à venda certos bens. No seu testamento, apresentado com um pedido de urgência num tribunal de Manhattan em agosto, Bacall insistiu: «Peço aos meus filhos que respeitem o meu desejo de manter privadas algumas cartas pessoais, escritos, diários e outros papéis ou objetos».

Entre as peças incluídas estão arte e pinturas modernas e contemporâneas de Pablo Picasso, Joan Miró e Alexander Calder, bem como móveis ingleses e franceses dos séculos XVIII e XIX, faiança continental e inglesa, trabalhos de arte tribal africana adquiridos quando acompanhou o primeiro marido, Humphrey Bogart, na rodagem de «A Rainha Africana» (51), joias, peças de alta costura e bagagens Louis Vuitton e Goyard.

Um dos grandes destaques do leilão será certamente uma estatueta em bronze de Bogart.

Muitos dos trabalhos, adquiridos em galerias de arte e leilões, faziam parte do recheio da casa em Los Angeles que Bacall partilhou com Bogart; a sua antiga casa de campo em Amaganset, Nova Iorque; e a sua residência final, no célebre edifício Dakota em Manhattan.



O apartamento, com vista para Central Park, incluído numa das mais prestigiadas e exclusivas residenciais de Nova Iorque - entre os proprietários rejeitados estão Madonna, Cher, Melanie Griffith e Nicole Kidman -, está também no mercado por 26 milhões de dólares (24 milhões de euros).

Bacall comprou-o com o segundo marido, o ator Jason Robards, por 48 mil dólares em 1961, no que foi, admitiu, «o melhor investimento» que alguma vez fez.

Devido às regras do Dakota, detalhes como o tamanho e o andar permanecem secretos, mas várias fontes referem que o apartamento 43 tem várias salas e quartos, um escritório e biblioteca, numa área entre os 279 e 372 m2.

As imagens divulgadas das assoalhadas revelam muitas das peças que vão a leilão e são o que resta de uma vida intensamente vivida.

Comentários