Artigo

Liam Neeson vai reformar-se... do cinema de ação

O ator revelou durante quanto tempo ainda espera fazer filmes no género onde conquistou tanta popularidade.

Liam Neeson era conhecido principalmente pelos filmes papéis dramáticos, comoem «A Lista de Schindler» (1993), pelo qual foi nomeado para os Óscares, e ainda «Rob Roy» (965), «Michael Collins» (96), «Os Miseráveis» (98) e«Reino dos Céus» (05). As passagens ocasionais por filmes com elementos mais fantásticos, como «Vingança Sem Rosto» (90), «Star Wars: Episódio I - A Ameaça Fantasma» (99) e «Batman - O Início» (05) contavam-se pelos dedos.

Até que se deu o sucesso de «Busca Implacável» em 2008 e o papel de Bryan Mills, o pai com «talentos especiais» para resgatar a filha, lhe mudou a direção a carreira quando já tinha 56 anos.

Desde então, o ator viu-se como protagonista muito bem pago em vários filmes de ação e suspense, como «Soldados da Fortuna» (10), «Sem Identidade» (11), «The Grey - A Presa» (12), para além das sequelas em que retomou o papel de Bryan Mills.

Questionado no talk show «Good Morning America» sobre quanto tempo mais pretende manter-se no cinema de ação, o ator revelou: «Talvez mais dois anos, se Deus me poupar e estiver saudável. Mas depois disso, acho que vou parar».

Anteriormente, o ator já falou na reforma anteriormente e até que nunca faria «Taken 3».

Neeson acrescentou sentir-se surpreendido e lisonjeado por ainda ser convidado quando já conta 62 anos: «A minha carreira está numa fase ótima. Depois do sucesso, principalmente dos filmes «Busca Implacável», Hollywood começou a ver-me de forma diferente. Recebo muitos argumentos de filmes de ação, o que é ótimo. Não estou a reclamar, é algo muito lisonjeador. Mas claro que para tudo há um limite.»

Liam Neeson está a viver um padre em «Silence» para o novo filme de Martin Scorsese, em rodagem em Taiwan, mas o seu próximo filme no género onde conquistou tanta popularidade é «Noite em Fuga», ao lado de Ed Harris, que estreia a 16 de abril.

Comentários