Artigo

Monica Bellucci vai receber prémio no Festival de San Sebástian

A atriz italiana será uma das homenageadas na 65.ª edição do Festival Internacional de Cinema de San Sebastián, que decorre entre 22 e 30 de setembro em Espanha.

A atriz italiana Monica Bellucci irá receber o Prémio Donostia, na 65.ª edição do Festival Internacional de Cinema de San Sebastián, a decorrer nos dias 22 a 30 de setembro, em Espanha.

O diretor do festival, José Luis Rebordinos, e a responsável pelo departamento de comunicação, Ruth Pérez de Anucita, apresentaram hoje oficialmente os últimos pormenores do evento..

A Bellucci junta-se a realizadora belga Agnès Varda e o ator argentino Ricardo Darín, também galardoados com Prémios Donostia, segundo o comunicado disponível no 'site' oficial do festival.

O prémio irá ser entregue a Bellucci numa cerimónia no Velódromo de Anoeta, o local mais movimentado da cidade espanhola, enquanto Varda irá recebê-lo numa sala "mais íntima" do Teatro Victoria Eugenia, também em San Sebastian, de acordo com informações avançadas pelas agências internacionais.

O comunicado lançado pelos responsáveis começa por dar destaque é constituição do júri da mais recente edição, que irá ser presidido pelo ator John Malkovich, "acompanhado pelos atores Dolores Fonzi e Emma Suárez, o cineasta William Oldroyd, a produtora e argumentista Paula Vaccaro e o diretor de fotografia Fabio Cianchetti".

Os realizadores Darren Aronofsky e Frederick Wiseman irão, igualmente, marcar presença para apresentarem os filmes "Mãe!" e "Ex Libris: New York Public Library", respetivamente, em território espanhol, depois de já terem passado pelo Festival de Veneza. Os seus trabalhos mais recentes estarão em competição pelo prémio máximo, a Concha de Ouro.

Os Prémios Donostia "vão reconhecer a carreira" dos artistas a quem serão atribuídos, sendo que Monica Bellucci conta com "mais de 25 anos como atriz [e já] trabalhou com realizadores distinguidos tanto na Europa como nos Estados Unidos, incluindo Francis Ford Coppola, Gaspar Noé, Mel Gibson, Spike Lee [ou] Sam Mendes".

O 'site' do festival traça ainda um breve perfil da atriz italiana, destacando filmes como "L’appartement" (Gilles Mimouni, 1996), "Malèna" (Giuseppe Tornatore, 2000) e "Sob Suspeita" (Stephen Hopkins, 2000).

No mesmo comunicado, Varda é descrita como "uma lenda do cinema europeu, cuja carreira já foi reconhecida com os prémios principais de Cannes, Berlim, Veneza, Locarno e da Academia Francesa de Cinema".

Nesta quarta-feira, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou que iria homenageá-la com um Óscar honorário, na gala anual da Comissão de Governadores da Academia, a 11 de novembro.

A realizadora e artista visual "criou a sua própria produtora, Ciné-Tamaris, para fazer a sua primeira longa-metragem, "La Pointe Courte" (1955), que escreveu e dirigiu sozinha, e que lhe valeu o título de 'Avó da 'nouvelle vague' francesa', mais tarde."

O seu trabalho mais recente, "Visages, Villages", em codireção com o artista JR, estreou-se fora da competição no Festival de Cannes em 2017, e irá figurar nas apresentações da 65.ª edição do Festival de San Sebástian.

Com uma carreira que começou ainda na infância, Ricardo Darin é atualmente o mais conhecido dos atores argentinos graças a filmes como "Nove Rainhas" (2000), "O Filho da Noiva" (2001), "O Segredo dos Seus Olhos" (2009), "Carancho - Abutres" (2010) e "Truman" (2015).

Comentários