Artigo

«Nebraska» e «Um Quente Agosto»: Os dramas dos Óscares

Os Óscares sempre gostaram de dramas e este ano dois dos mais comentados são «Nebraska» e «Um Quente Agosto», pela excelência das interpretações e por serem dos únicos que não são baseados numa história verídica.

«Nebraska» é um dos principais nomeados deste ano aos Óscares, com seis designações, e apresenta o veterano Bruce Dern como um velhote rezingão que, depois de receber pelo correio uma carta de um sorteio, pensa que ficou rico e arrasta o filho numa viagem para reclamar a fortuna. Filmado a preto e branco, ao longo de quatro estados norte americanos, o filme narra, com alguma dose de humor sarcástico, histórias da vida familiar em pleno coração da América.

Realizada por Alexander Payne ( «Os Descendentes», «Sideways»), a fita valeu a Bruce Dern o troféu de Melhor Ator no Festival de Cannes e está a ser uma das mais visíveis da atual temporada de prémios, culminando nas seis nomeações aos Óscares, que incluem Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Ator (Bruce Dern), Melhor Atriz Secundária ( June Squibb), Melhor Argumento Original e Melhor Fotografia.

«Um Quente Agosto» adapta ao cinema a peça «August: Osage County», de Tracy Letts, que venceu com ela um Pulitzer para Drama em 2008 e que assina o argumento adaptado da versão para o grande ecrã. A ação decorre em Osage, no estado de Oklahoma, e gira em redor das mulheres da família Weston, cujas vidas se afastaram até uma crise familiar as reaproximar e trazer de volta à casa no Midwest onde cresceram e à mulher disfuncional que as criou.

O realizador é John Wells e o elenco do filme é excepcional: além de Meryl Streep e Julia Roberts, nomeadas aos Óscares de Melhor Atriz e Melhor Atriz Secundária, contam-se ainda Juliette Lewis, Ewan McGregor, Chris Cooper, Abigail Breslin, Benedict Cumberbatch, Sam Shepard, Dermot Mulroney, Julianne Nicholson, Margo Martindale e Misty Upham.



Comentários