Artigo

«O Conto da Princesa Kaguya» vence festival Monstra

O filme de Isao Takahata conquistou o Grande Prémio para melhor longa-metragem da 14ª edição da Monstra – Festival de Cinema de Animação de Lisboa.

O filme japonês «O Conto da Princesa Kaguya», de Isao Takahata, conquistou o Grande Prémio Monstra para melhor longa-metragem da 14ª edição da Monstra – Festival de Cinema de Animação de Lisboa, anunciou a organização. Estará em exibição nas salas de cinema durante duas semanas a partir de 9 de abril.

O filme, considerado pelo júri como «uma obra-prima» feita por «um dos mestres da animação», conta a história de uma menina encontrada dentro de uma cana de bambu, que se transforma numa jovem requintada, criada por um cortador de bambu e sua mulher, que do campo passa à grande capital, cativando todos os que a encontram.

O júri adiantou ainda ter tido «uma grande dificuldade em escolher» face a uma «outra obra-prima», à qual deu o Prémio Especial: «Song of the Sea», de Tomm Moore, que também arrecadou o título de Melhor Banda Sonora.

«A Ovelha Choné», de Marc Burton e Richard Starzak, venceu o Prémio Melhor Filme para Infância e Juventude e foi descrito pelo júri como «um filme perfeito feito a partir de uma grande série televisiva».

Na competição dedicada às Curtas-Metragens, «Man on the Chair», de Dahee Jeong, da França, recebeu o Grande Prémio, enquanto o português «Fuligem», de David Doutel e de Vasco Sá, obteve, de forma unânime, o Prémio Especial do Júri.

O Melhor Filme Experimental foi «In Motion No.2», do japonês Sumito Sakakibara, obra que o júri considerou conseguir «transportar os espectadores da sala para o filme».

Quanto ao Prémio do Público nesta categoria, o vencedor foi «We Can't Live Without Cosmos», do russo Konstantin Bronzit, tendo «Tick Tack» de Ülo Pikkov (Estónia) e «Nuggets», de Andreas Hykade (Alemanha) recebido menções honrosas.

Na categoria de Curtíssimas, dedicada a filmes com menos de dois minutos, os vencedores foram «Cupidiculous» do norte-americano Panop Koowat (competição internacional) e «Home Dog», de Emanuel Barros (competição nacional).

A competição internacional de Estudantes foi ganha pelo filme inglês «Mend and Make Do», de Bexy Bush Bush e na competição de estudantes portugueses ganhou o filme «Tele-Sofia», de Ana Fernandes, Manuel Sá e Nuno Mendanha.

«This Is How It Starts», do israelita Shahaf Ram, e «Que Dia É Hoje», do Coletivo Fotograma 24 e 24 Jovens de Montemor-o-Novo foram os vencedores dos prémios de Estudantes pelo júri júnior.

Inserido na secção Monstrinha, dedicada ao público mais novo, o festival deu o prémio principal ao filme holandês «Uma Única Vida» de Job, Joris, Maricke da Holanda, tendo o júri explicado que a escolha se deveu à «forma criativa e inovadora de abordar temas como a vida e a morte».

Entre as novidades da edição deste ano, destaca-se a introdução da categoria de Cinema Mais Pequeno do Mundo, dedicada a filmes com cerca de um minuto e meio.

Nesta categoria, os vencedores foram o filme francês «Supervenus», de Frederic Doazan, que recebeu o prémio Amedoim de Ouro, enquanto o português «Bolas! ET's Outra Vez?!», de Bruno Caetano, ficou com o Amedoim de Prata, e o também francês «The Evening Cigarette», de Matthieu Van Eeckhout com o Amendoim de Bronze.

O festival decorreu entre 12 e 22 de março com a maior programação de sempre - quase 500 filmes - e um destaque particular para o cinema da América Latina e para dois mestres japoneses.

Comentários