Artigo

Português João Viana selecionado para o festival de Cannes

O realizador português João Viana irá apresentar, em maio, em França, o projeto do filme «Our Madness», no «Atelier de la Cinéfondation», uma iniciativa do Festival de Cinema de Cannes que permite o acesso a coproduções internacionais.

A organização do festival de Cannes anunciou a lista dos quinze realizadores e projetos selecionados - os que são considerados «mais promissores» - para a edição deste ano do «Atelier de la Cinéfondation» e, entre eles, está João Viana e o projeto da segunda longa-metragem de ficção, «Our Madness».

O Cinéfondation foi criado em 2005, no âmbito do festival de Cannes, com o objetivo de «estimular o cinema criativo e encorajar o aparecimento de uma nova geração de realizadores», proporcionando-lhes acesso a coprodutores internacionais que permitam "acelerar a conclusão" dos seus projetos.

Contactado pela agência Lusa, João Viana, autor de «A Batalha de Tabatô», explicou que «Our Madness» é um retrato sobre a atualidade política e social de Moçambique. O argumento é do realizador e a rodagem deverá ter início depois do verão, um pouco por todo aquele país africano.

A coprodução será entre Portugal, França e Moçambique.

João Viana, filho de portugueses e nascido em Angola, é autor de várias curtas-metragens, selecionadas para festivais internacionais. A longa-metragem «A Batalha de Tabatô», rodada numa aldeia na Guiné-Bissau, já foi premiada em Berlim.

Sobre a seleção de «Our Madness», João Viana mostrou-se entusiasmado, afirmando que o Cinéfondation representa uma maior projeção dentro do festival. «É muito assustador, mas há que aproveitar a oportunidade. Eu julgava que o primeiro filme era o mais importante [na carreira de um realizador], mas afinal é o segundo. O Tabatô foi feito sem dinheiro nenhum e correu bem. Vamos ver».

Este ano, o Atelier de la Cinéfondation decorrerá de 13 a 24 de maio e conta com 15 realizadores de 14 países, nomeadamente Colômbia, Irão, Sri Lanka, África do Sul, Espanha, França e Brasil.

Comentários