Artigo

São Carlos passa clássico do cinema mudo acompanhado de orquestra

Celebrando o seu centenário, «O Nascimento de Uma Nação», de D. W. Griffith, será acompanhado da partitura original executada pela Orquestra Sinfónica de Lisboa.

O centenário da estreia da obra-prima da história do cinema «O Nascimento de Uma Nação», de D. W. Griffith, será celebrado no Teatro Nacional de São Carlos este domingo pelas 16 horas.

Com o apoio da Cinemateca Portuguesa, terá lugar uma sessão especial com a exibição a ser acompanhada da partitura original de Joseph Carl Breil executada pela Orquestra Sinfónica de Lisboa sob a direção da maestrina Gillian Anderson.

Com Lillian Gish, Henry B. Walthall, Lillian Gish, Mae Marsh e Robert Harron, «O Nascimento de Uma Nação» relata a história de duas famílias durante a Guerra de Secessão (1861-65) e a subsequente reconstrução dos EUA.

Um grande sucesso do seu tempo, o filme causou grande impacto por evidenciar o potencial desse novo meio que era o «cinema» graças à aplicação de inovadoras técnicas.

No entanto, foi muito criticado pela representação dos negros americanos, interpretados por brancos com as caras pintadas, como pouco inteligentes e sexualmente agressivos para com as mulheres brancas, ao mesmo tempo que apresentava a organização racista Ku Klux Klan como uma força heróica.

A controvérsia mantém-se até hoje, o que leva a que o centenário esteja a ser pouco celebrado nos EUA.

As críticas levaram o realizador D. W. Griffith a fazer «Intolerância» no ano seguinte, mais consensual e ainda mais influente na evolução da arte cinematográfica, geralmente considerado o seu melhor trabalho.

Comentários