Artigo

«Sin City: Mulher Fatal» fracassa de forma espetacular nos EUA

A sequela de «Sin City: Cidade do Pecado» de Robert Rodriguez e Frank Miller teve uma das piores estreias comerciais do ano nas salas de cinema dos EUA.

Com a fotografia a preto e branco e atores a trabalhar em cenários feitos por computador, «Sin City: Cidade do Pecado» parecia mesmo o primeiro filme saído de uma novela gráfica e adquiriu um culto instantâneo assim que chegou às salas de cinema em abril de 2005. A hipótese de fazer uma sequela foi logo anunciada e Robert Rodriguez alimentou-a ao longo dos anos, mas Frank Miller, autor da novela e co-realizador, assumiu em várias entrevistas que a demora se deveu ao desafio técnico de filmar em 3D quando nos EUA apenas existiam duas salas de projeção nesse formato.

Foi uma decisão que se revelou fatal: a diferença de nove anos e todas as adaptações de banda desenhada que entretanto foram feitas, a começar desde logo por «300», do mesmo Frank Miller, bem como a perda de prestígio da «marca» Rodriguez por conta de filmes como «Machete Mata» e «Spy Kids 4D - Todo o Tempo do Mundo», tornaram «Sin City: Mulher Fatal» o mais recente fracasso comercial de uma temporada de verão nas bilheteiras dos EUA que está quase 15% abaixo das receitas de 2013. Chega a Portugal esta quinta-feira.

A estreia em 2894 salas americanas rendeu uns desastrosos 6,5 milhões de dólares (4,93 milhões de euros), uma fração (21,81%) do que conseguiu o primeiro filme em 2005, quando surpreendeu a indústria ao arrancar com 29,8 milhões de dólares, a caminho dos 159 milhões a nível global, contra um investimento de apenas 40 milhões. A continuação terá custado entre 60 a 70 milhões.

Com o fracasso de «Sin City: Mulher Fatal» e os resultados abaixo das expetativas da estreia de «Se Eu Ficar», regressou à posição cimeira dos mais vistos «Guardiões da Galáxia», que também ultrapassou «Transformers: Era da Extinção» e se tornou o título mais rentável do verão no mercado americano.

Comentários