Artigo

Sintra recebe de braços abertos o "novo" Lisbon & Sintra Film Festival

A realização do festival com organização de Paulo Branco foi aprovada pelo executivo municipal de Sintra, substituindo o patrocínio da autarquia de Cascais, após 10 edições no Estoril.

A realização do primeiro Lisbon & Sintra Film Festival, em novembro, com organização de Paulo Branco, foi aprovada na terça-feira pelo executivo municipal sintrense, substituindo o patrocínio da autarquia de Cascais, após 10 edições no Estoril.

“É um dos festivais de maior impacto em Portugal e de grande impacto a nível europeu, com deslocação não apenas de realizadores e de atores de renome internacional, mas também de filósofos e de pessoas da cultura, que vêm debater vários temas”, afirmou à agência Lusa o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta (PS).

Segundo Basílio Horta, o município acolhe o Lisbon & Sintra Film Festival “com uma estratégia bem definida”, como “mais um instrumento da promoção externa de Sintra” e “porque sai dos locais habituais de projeção de filmes para as associações e escolas”.

“É um evento que não se limita à Sintra histórica, mas que vai disseminar-se pelo concelho, o que para nós tem muita importância e foi decisivo, porque todos vão beneficiar não apenas dos filmes, mas também dos debates”, frisou o autarca.

O executivo municipal aprovou hoje, com abstenção do movimento independente Sintrenses com Marco Almeida, uma proposta do vereador da Cultura, Rui Pereira (PS), para a realização do Lisboa & Sintra Film Festival de 17 a 26 de novembro.

“O Lisbon & Sintra Film Festival constituirá uma continuação do anterior Lisbon & Estoril Film Festival, assumindo ainda valências que ultrapassam um mero festival de cinema, sendo um dos principais encontros dos mais conceituados artistas, escritores, filósofos, realizadores e atores a nível europeu”, explica a proposta de protocolo.

Segundo a minuta do protocolo a subscrever com a Leopardo Filmes, a produtora de Paulo Branco, o festival vai decorrer no Centro Cultural Olga Cadaval e em “outros espaços emblemáticos” da vila e de Lisboa.

O município compromete-se a apoiar com 250.000 euros, repartidos em 175.000 euros após a assinatura do protocolo e outras duas prestações de 37.500 euros até 31 de dezembro de 2017.

Para Basílio Horta, o apoio ao festival justifica-se com as “mais-valias para o concelho, em termos de hotéis” e da economia local, tanto mais “quando se realiza na época baixa do turismo e, por isso, o retorno ainda é maior”.

“Vamos tentar que a Parques de Sintra-Monte da Lua, na ligação que tem connosco, abra os seus palácios a esta iniciativa”, notou o presidente da autarquia, salientando a dinamização do setor hoteleiro, com investimentos em curso num total “de 75 milhões de euros” em novas unidades junto à vila.

O primeiro Lisbon & Sintra Film Festival sucede a 10 edições do Lisbon & Estoril Film Festival, lançado em 2007.

Na segunda-feira, o vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz (PSD), explicou à agência Lusa que o município disponibilizou-se a apoiar o evento, mas redefinindo os valores.

“Face à redução das verbas de jogo [provenientes do Casino do Estoril] e por ainda não termos receitas da nova taxa turística dissemos ao Paulo Branco que teríamos de rever os valores do apoio, mas como a Câmara de Sintra ofereceu mais dinheiro, ele optou por ir para Sintra”, explicou o autarca.

O diretor do Lisbon & Estoril Film Festival, Paulo Branco, disse na cerimónia de encerramento da 10º edição, em novembro de 2016, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, que a participação do público foi “bastante superior” à dos anos anteriores.

Os realizadores Jim Jarmusch e Emir Kusturica, o poeta Adonis e a atriz Monica Bellucci estiveram entre os mais de 60 convidados da última edição do Lisbon & Estoril Film Festival, que decorreu em 11 espaços da capital e de Cascais.

Na apresentação da anterior edição do festival, Paulo Branco revelou que o orçamento de 2016 ascendia a 550 mil euros, com dezenas de parcerias e o apoio das câmaras de Lisboa e de Cascais, Turismo de Portugal e Instituto do Cinema e do Audiovisual.

Comentários