Artigo

Steven Spielberg diz que a indústria do cinema vai implodir

Alguns nomes de peso de Hollywood, como Steven Spielberg e George Lucas acenderam o debate ao alertar para a iminente «implosão» da indústria do cinema, afogada em orçamentos estratosféricos e ameaçada pela concorrência da televisão.

Durante a inauguração de um novo departamento de uma escola de cinema em Los Angeles, Steven Spielberg revelou que quase não conseguiu levar a biografia política «Lincoln» aos cinemas no ano passado.

George Lucas, também presente no evento, alertou que o acesso dos filmes às salas de cinema está a ficar «cada vez menor» e disse que a televisão por cabo se tornou muito mais ousada.

«Acho que, no final, os 'Lincolns' vão passar para a televisão», disse Lucas na abertura do novo edifício da Escola de Artes Cinematográficas da Universidade do Sul da Califórnia (USC).

«Como o meu quase foi», revelou Spielberg. «Foi quase - perguntem à HBO - foi quase», acrescentou.

«Estamos a dizer que 'Lincoln' e 'Red Tails' (filme lançado em 2012 do qual Lucas foi o produtor executivo) por pouco não chegaram aos cinemas. Estamos a dizer que Steven Spielberg e George Lucas não conseguem levar os seus filmes até ao cinema", salientou Lucas.

Spielberg afirmou que algumas ideias de jovens realizadores seriam «demasiado arriscadas para o cinema», e acrescentou: «Este é o grande risco e o que vai acabar por acontecer é uma implosão ou uma grande fusão».

«Vai haver uma implosão na qual três ou quatro ou talvez até mesmo meia-dúzia de filmes de grande orçamento vão cair no chão e isto vai mudar o paradigma», afirmou.

Filmes com orçamentos de 200 milhões de dólares são cada vez mais comuns e alguns tiveram prejuízo nos últimos anos, como, por exemplo, «John Carter», que acabou por resultar na saída de um alto-cargo da Disney.

«Depois da Terra», o último filme de uma das mais bem sucedidas estrelas de Hollywood, Will Smith e realizado por M. Night Shyamalan, com um orçamento estimado em 130 milhões de dólares, teve um mau desempenho no começo do mês, rendendo 27,5 milhões no seu fim de semana de estreia.

A tendência de fazer filmes «mais arriscados» para a Televisão em vez de no cinema deu provas recentemente com o filme «Behind the Candelabra», de Steven Soderbergh sobre o extravagante Liberace, com Michael Douglas e Matt Damon.

A temática gay do filme impeliu Hollywood a esquivar-se de financiar a longa. Como resultado, Soderbergh voltou-se para a HBO, o que significa que a produção não poderá concorrer ao Óscar no próximo ano.

Comentários