Artigo

«Tartarugas Ninja»: um sucesso no box office com sequela confirmada

Os resultados foram tão satisfatórios que o estúdio anunciou logo planos para uma continuação.

Boas notícias para a carreira de Megan Fox: o revivalismo dominou o fim de semana nas bilheteiras dos EUA com «Tartarugas Ninja: Heróis Mutantes» a começar a sua carreira comercial com 65 milhões de dólares (48,4 milhões de euros). O fantástico resultado levou o estúdio Paramount a anunciar que a sequela chegará a 3 de junho de 2016.

A produção é de Michael Bay, que parece ter perdoado a atriz depois de a despedir de «Transformers 3»: ela interpreta a destemida repórter April, que juntamente com o seu operador de câmara Vernon Fenwick ( Will Arnett), ajuda os quatro irmãos marginalizados dos esgotos a salvar Nova Iorque das garras de Shredder ( William Fichtner), que gere com mão de ferro toda a metrópole, da polícia aos políticos. Por via do «motion-capture», Alan Ritchson, Pete Ploszek, Jeremy Howard e Noel Fisher são, respetivamente, Raphael, Leonardo, Donatello e Michelangelo.

Por apelar ao mesmo tipo de espetadores (jovens adolescentes), «Guardiões da Galáxia ficou em segundo lugar após a uma estreia fantástica, mas as receitas são melhores que a abertura de muitos filmes: confirmando que agosto é cada vez menos o ocaso comercial da temporada de verão, a adaptação do «comic book« da Marvel fez 41,5 milhões de dólares (31 milhões de euros). Em Portugal, onde estreou na quinta-feira, foi a melhor abertura do ano.

De acordo com inquéritos, a audiência de «Tartarugas Ninja: Heróis Mutantes» era composta por 61% de homens, dos quais 45% tinham menos de 25 anos. No entanto, o filme apelou a dois grupos: aos jovens e aos que, com cerca de 30 anos, têm uma afeição geracional pelas personagens criadas por Kevin Eastman e Peter Laird para uma série de BD em 1984 que se tornaram um fenómeno de popularidade com a série de animação que arrancou em 1987 e geraram uma avalanche única de «merchandising» na viragem para os anos 90, empurrada também pelo trio de filmes de imagem real de grande sucesso em que as Tartarugas eram criadas por atores em fatos com os rostos manipulados por via de animatrónica.

A partir daí houve várias tentativas de recriar o fenómeno, incluindo uma longa-metragem de animação por computador e uma nova série de animação. Esta nova longa-metragem de imagem real realizada por Jonathan Liebesman ( «Invasão Mundial: Batalha Los Angeles») foi uma aposta jogada arriscada da Paramount, que investiu 125 milhões de dólares (93 milhões de euros), conseguindo agora criar uma sinergia com outro ativo da Viacom (proprietária do estúdio), capitalizando o sucesso de audiências que é a nova série de animação no canal Nickelodeon.

«Tartarugas Ninja: Heróis Mutantes» estreia em Portugal a 30 de outubro.

Comentários