Artigo

«Vingadores: Era de Ultron» rebenta com todas as expetativas

O filme da Marvel é uma experiência obrigatória para 2015.

«Vingadores: A Era de Ultron» é o pai e a mãe de todos os filmes de super-heróis.

Novamente as fronteiras do género são redefinidas com um tremendo épico escrito e realizado pelo prodigioso Joss Whedon e na linha das maiores sagas de "comics" da Marvel. Aliás, o filme é inspirado numa delas e o que é incrível é a qualidade na transposição para o ecrã, existindo um delicioso equilíbrio na balança do entretenimento e a humanidade dos personagens, sem perder pitada de diversão, emoção e muita ação.

Nada que Joss Whedon não tenha feito ao longo da sua carreira. Basta rever «Buffy, Caçadora de Vampiros» (1997), «Firefly» ou «Dollhouse»: a realização é um ABC daquilo que está para vir. Percebemos ou visualizamos perfeitamente as mais elaboradas sequências de efeitos especiais e “ação” sem perdermos pitada do que está no ecrã, onde houve uma especial atenção ao mais ínfimo pormenor.

Apesar de não ser um fã incondicional de «Os Vingadores», esta sequela eleva o nível e rebenta com todas as expectativas, começando com o pé na tábua com uma panóplia de personagens, em vários conflitos pessoais, e termina em apoteose.

Neste reino dos super-heróis está vivo o espírito cada vez mais inabalável da Marvel. Não é apenas a inspiração dos "comics" no argumento, mas toda a estética e o "look" prestam vassalagem às coordenadas visuais de um "comic" na criação e montagem das várias cenas, como se percebe no inicio do filme.

Os personagens são interpretados por uma mão cheia de grandes actores, que respiram a solo como em equipa, e neste último facto está o núcleo do filme: trabalhar em conjunto, coexistir como equipa e provar a eles mesmos e ao mundo que os Vingadores estão para ficar.

Sem querer entrar em pormenores de enredo ou descrição exaustiva de personagens, este "blockbuster" lida com a eterna batalha entre a evolução e a coexistência utópica sem problemas quando a solução se torna um monstro e um problema de extinção global que só os Vingadores podem resolver.

Existem ainda várias sub-tramas que antecipam novas aventuras a solo, romances e vários dilemas existenciais, com o aparecimento de novos personagens pelo meio que rapidamente se licenciam na escola superior de super-heróis.

Em 2015 são vários os filmes que vão merecer uma visita obrigatória às salas de cinema. «Vingadores: A Era de Ultron» é um destes marcos, uma experiência de entretenimento cerebral e inadulterada de 20 quilates. Visionado em IMAX é um daqueles momentos que ficam para sempre com o espectador.

4 em 5
JORGE PINTO

REVISTA METROPOLIS

Comentários