Artigo

A poesia, as imagens e as mulheres d'A Naifa

Logo pelo título, "não se deitam comigo corações obedientes", percebemos que o quarto disco d'A Naifa parte de palavras cortantes. Tal como nos anteriores, a poesia foi a base de canções que receberam, na fase final, um complemento visual. A uni-las está uma abordagem ao universo feminino, conta metade da banda ao SAPO Música.

"Ficámos com uma bela obra de arte, entre música, ilustrações e poesia", diz-nos Maria Antónia Mendes, ou Mitó, ao apresentar o novo disco d'A Naifa, o primeiro a contar com a segunda formação do projeto. Além da vocalista e do guitarrista Luís Varatojo, que falaram connosco, "não se deitam comigo corações obedientes" foi criado pelos elementos mais recentes: Sandra Baptista, no baixo, e Samuel Palitos, na bateria, que substituem João Aguardela, falecido em 2009, e Vasco Vaz.

As mudanças na formação não foram as únicas de uma banda que "não gosta de se repetir", realça Varatojo. Mitó salienta a aproximação mais forte ao universo feminino, já evidente no disco antecessor, "Uma Inocente Inclinação Para o Mal" (2008), e que surge aqui reforçada tanto nas letras - com textos de Adília Lopes, Ana Paula Inácio, Margarida Vale de Gato, Maria do Rosário Pedreira e Renata Correia Botelho - como nas ilustrações - escolhidas a partir de um desafio que selecionou trabalhos de Bernardette Ermida, Liliana Bernardo, Paulo Ansiães Monteiro e Marta Nunes (cuja ilustração acompanha este artigo):

Ao vivo, esta Naifa, não necessariamente nova mas pelo menos diferente, também promete trazer novidades. A formação atual, que já partilhou palcos na digressão do ano passado, garante que, tal como no disco, a música e a imagem vão conhecer outros cruzamentos no novo ciclo de atuações.

Os concertos de apresentação de "não se deitam comigo corações obedientes" arrancam já esta sexta-feira, na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, e percorrem o país nas próximas semanas. É também a partir desta noite que a edição física do disco pode ser comprada, uma vez que só chega às lojas no final do mês. Em contrapartida, a edição virtual está disponível há alguns dias através de uma aplicação para telemóvel. Afinal, estamos a falar de uma banda que não gosta de se repetir, nem mesmo na distribuição.

@Gonçalo Sá

Comentários