Artigo

Compositor e político José Niza morreu esta noite

O compositor e ex-deputado morreu esta noite, aos 73 anos, informou hoje fonte da Câmara de Santarém, concelho onde residia e de cuja Assembleia Municipal chegou a ser presidente.<

José Niza nasceu em Lisboa e estudou medicina em Coimbra. Aí fundou a Orquestra Ligeira do Orfeon Académico de Coimbra. Colaborou em espetáculos teatrais do CITAC e foi mobilizado para a guerra colonial em Angola.

De regresso a Portugal, trabalhou como produtor na Discos Orfeu, responsável por muitas das edições de grandes nomes da música portuguesa na época – com trabalhos de nomes como José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho, Vitorino, Paulo de Carvalho, Fernando Tordo, Manuel Freire, Carlos Mendes ou José Calvário.

Escreveu temas para Paulo de Carvalho, Carlos do Carmo, Tonicha, Vitorino, Janita Salomé, Rui Veloso, entre muitos outros.

Compôs quatro temas vencedores dos Festivais RTP da Canção.

Foi o autor da letra da canção «E Depois do Adeus», senha musical para o Movimento das Forças Armadas na noite de 24 de Abril de 1974.

Após o 25 de abril de 1974, filiado no Partido Socialista, José Niza deixou a editora Orfeu e passou a dedicar-se à política, tendo sido eleito deputado à Assembleia da República pelo círculo de Santarém e, em 1977 e 1978, tendo o cargo de diretor de Programas da RTP.

Em 1983 e 1984 voltou à RTP como administrador ligado à produção e, em 1985, regressou ao Parlamento, onde procurou defender as questões ligadas à música, participando, por exemplo, na elaboração da legislação relativa à obrigatoriedade de passagem de cinquenta por cento de música portuguesa nas estações de rádio do país.

Deixou de ser deputado em 1999, mas manteve-se como assessor do presidente da Assembleia da República, Almeida Santos.

@SAPO

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.*

Comentários