Pessoa

Dziga Vertov

Denis Abramovich Kaufman

  • ZZ

  • Nasceu a 02 de Janeiro de 1896

  • Faleceu a 12 de Fevereiro de 1954

Dziga Vertov, nascido Denis Abramovich Kaufman, (Rússia, 2 de Janeiro de 1896 — 12 de Fevereiro de 1954), cineasta, documentarista e jornalista, é o grande precursor do cinema directo, na sua versão de cinema verdade.

Dziga Vertov, nascido Denis Abramovich Kaufman, (Rússia, 2 de Janeiro de 1896 — 12 de Fevereiro de 1954), cineasta, documentarista e jornalista, é o grande precursor do cinema directo, na sua versão de cinema verdade.

Teoria e prática


Fez parte do movimento construtivista, escrevendo inúmeros artigos sobre a teoria do filme.

O seu filme O Homem com uma Câmara é um marco na história do cinema, como documentário reflexivo (Bill Nichols). Filma o quotidiano de cidades russas, principalmente Moscovo (Moscou), com criatividade e lucidez. Planos pensados e repensados, a passagem de um simples fotograma a complexa estrutura narrativa mantendo a intenção poética são, por si sós, uma aula de cinema. Para associar o olho humano ao da câmara, usa por exemplo planos de uma persiana, numa metáfora da retina, do diafragma da objectiva, do cinema-olho, capaz de apreender o real.

A sua teoria do Kino Pravda, a do cinema-verdade, é fundadora de futuras teorias e práticas numa área fundamental do cinema: o contacto directo do olho da câmara com o evento filmado, a verdadeira realidade, ao contrário da ficção, que precisa do plateau. Aí se diferencia Vertov de Eisenstein: a ideia, a encenação e o plateau, tal como no teatro.

A ideia é aquilo que tudo determina. Não escapa ao movimento da História e é expressão de um ideal humanista que se dinamiza na construção de uma sociedade justa.

O cinema-verdade foi amplamente explorado por Jean Rouch, que, na teoria e na prática, fez a sua síntese de Vertov e de Robert Flaherty.

Dziga Vertov foi um dos primeiros cineastas russos a usar técnicas de animação e desenvolver certos princípios fundamentais da montagem no cinema. Estabeleceram o ABC das linguagem cinematográfica. Para Vertov a montagem é a alma do filme, o motor da sua estética e do seu sentido. O trabalho de Dizga Vertov foi fundamental para o desenvolvimento da construção dramática e melhoria do cinema e para o surgimento do cinema directo nos anos sessenta, com o desenvolvimento das técnicas de filmagem com câmaras leves com som síncrono.

Retirado de Sapo Saber a 13-04-2010

Comentários