Pessoa

José Wallenstein

José Wallenstein

  • PT

  • Nasceu a 18 de Outubro de 1959

José Wallenstein (Lisboa, 18 de Outubro de 1959) é um actor e encenador português.

José Wallenstein (Lisboa, 18 de Outubro de 1959) é um actor e encenador português.

Concluiu o curso de Formação de Actores, da Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa ( 1985), iniciando uma carreira no teatro. Foi dirigido por encenadores como Luís Miguel Cintra, Ricardo Pais, Rogério Vieira, Fernanda Lapa, Filipe La Féria, Gastão Cruz, Miguel Guilherme, Jorge Listopad, Carlos Avilez ou Rui Mendes.

A sua interpretação em A Grande Paz, de Edward Bond ( 1987), valer-lhe-ia no mesmo ano o Prémio de Melhor Actor de Teatro da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro. Em 1988 foi nomeado para o Prémio Garrett, da Secretaria de Estado da Cultura pelo desempenho em Três Irmãs, de Anton Tchekhov.

Estreou-se no cinema com uma aparição na longa-metragem Francisca de Manoel de Oliveira ( 1981), iniciando uma colaboração regular com o cineasta ( 1985 - Le Soulier de Satin, 1991 - A Divina Comédia, 1994 - A Caixa, 2001 - Porto da Minha Infância, 2004 - O Quinto Império, 2006 - Espelho Mágico). Salienta ainda as participações em O Fatalista de João Botelho ( 2005), Camarate de Luís Filipe Rocha ( 2001), A Janela ( 2001) e Manuel de Evasão ( 1994) de Edgar Pêra, …Quando Troveja de Manuel Mozos ( 1999), A Sombra dos Abutres de Leonel Vieira ( 1998), Terra Fria de António Campos ( 1992), Rosa Negra de Margarida Gil ( 1992), Repórter X ( 1987) e Mar à Vista ( 1989) de José Nascimento ou Dans La Ville Blanche de Alain Tanner ( 1983).

Popularizado pela televisão, participou em diversas séries ( 1992 - O Quadro Roubado, 1997 - Riscos, 1998 - Ballet Rose de Leonel Vieira, 2000 - A Febre do Ouro Negro, 2005 - Até Amanhã Camaradas de Joaquim Leitão e 2007 - Conta-me como Foi), telefilmes ( 2000 - Um Passeio no Parque de Marie Brand, 1991Daisy: Um Filme para Fernando Pessoa de Margarida Gil, 1992 - Uma Mulher Livre de Luís Filipe Costa, 1987 - Era Uma Vez um Alferes de Luís Filipe Costa) e novelas ( 2006 - Tempo de Viver, 2007 - Ilha dos Amores, 2008 - Olhos nos Olhos).

Como encenador, a partir da década de 1990, peças de autores como Nigel Williams, Nick Grosso, Franz Kafka, Bertolt Brecht, Peter Handke ou Carlo Goldoni. No âmbito da Lisboa94 - Capital Europeia da Cultura dirigiu o espectáculo E no Intervalo Faz-se Qualquer Coisa ( Teatro da Cornucópia). Foi também director artístico do Teatro Nacional de São João. É sócio-fundador do projecto Pro Tea e colaborou como encenador no Teatro Bruto e Visões Úteis. Encenou ainda óperas de compositores como Kurt Weill, Igor Stravinski, Harrisson Birtwistle e António Pinho Vargas. Recebeu o Prémio para a Melhor Produção do Ano, atribuído pela Associação Portuguesa de Críticos de Teatro, pela sua encenação de Estrelas na Manhã de Alexander Galine no Grupo de Teatro Hoje.

Dirigiu acções pedagógicas e leccionou no campo da interpretação para teatro no Chapitô, Balleteatro, Universidade Moderna e Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Lecciona a disciplina de Cenografia, no Curso de Mestrado de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE-IUL.

Adaptado de Sapo Saber a 18-01-2010

Comentários