Artigo

Cifrão sobre os D'ZRT: "Nós chegávamos e chamavam-nos os piores nomes possíveis"

Cifrão foi convidado de Rui Unas em "Maluco Beleza", o programa online do apresentador. Durante a conversa, o músico e coreógrafo recordou os tempos em que fez parte da banda D'ZRT.

"Tivemos alturas em que nos caiu tudo em cima (...) Houve um verão fenomenal: gravamos das oito às oito em Tróia. Chegávamos às oito, gravávamos, tínhamos cenas de praia, levar com o sol e acabavas às oito... e tinhas concerto em Barcelos, às 10. De Tróia a Barcelos não são duas horas e, ainda por cima, não havia autoestrada, era estrada velha, e eram 5 horas. Nós chegávamos atrasados duas horas e meia a alguns concertos", explicou Cifrão no programa.

"Nós chegávamos, chamavam-nos os piores nomes possíveis. A sorte é que, quando subíamos a palco, tudo ficava resolvido. Nós deixávamos lá os pulmões", acrescentou.

Na entrevista, Cifrão relembrou ainda que tinha 25 anos na época dos D'ZRT. "Eu fazia que tinha 18 anos, mas tinha 25. Já era um homem, já sabia o que queria. Acho que aos 25 anos já tens mais ou menos as coisas delineadas - já não vivia com os meus pais, já tinha vivido fora do país, já tinha feito 500 mil coisas, já tinha estudado. Ou seja, deu para não me iludir", confessou, revelando que nunca houve uma discussão entre os membros da banda que nasceu na série "Morangos com Açúcar", da TVI.

Comentários