Artigo

Obra de Schubert em concertos inéditos no CCB

A Integral dos Trios de Franz Schubert é apresentada pela primeira vez em Lisboa, em dois concertos, hoje e no domingo, no Centro Cultural de Belém (CCB), pelo DSCH – Schostakovich Ensemble.

No âmbito da Integral dos Trios de Franz Schubert, estreia-se neste palco lisboeta a violinista suíça Esther Hoppe. O CCB, em comunicado, destaca ainda as participações do violoncelista Christian Poltéra e da violinista Isabel Charisius, que já tocaram nesta sala, além do pianista Filipe Pinto-Ribeiro, diretor musical e fundador do DSCH - Ensemble.

Segundo o CCB, estes dois concertos apresentam-se como “um conjunto de obras que se estendem ao longo de todo o diapasão criativo do grande compositor vienense, desde o profético Trio com Piano D. 28, composto com apenas 15 anos, passando pelos inspirados Trios de Cordas, culminando nos dois extraordinários Trios com Piano, obras-primas da literatura camerística, compostas no penúltimo ano da curta vida de Schubert, um dos mais fulgurantes e geniais compositores da história da música”.

Hoje, às 21:00, o programa é constituído pelo Trio com Piano, “Sonata”, D.28, (1812), Trio de Cordas n.º 2 D.581 (1817), e o Trio com Piano n.º 1 D. 898 (1828).

No domingo, às 17:00, serão interpretados o Trio de Cordas n.º 1 D.471 (1816), a Sonata “Arpeggionne” D.821 (1824), Trio com Piano “Notturno” D.897 (1828) e o Trio com Piano n.º 2 D.929 (1827).

Franz Schubert nasceu há 220 anos em Viena, onde morreu. Deixou, entre outras obras, cerca de 600 canções de câmara, três óperas completas e dez sinfonias, além de missas, peças para piano, quartetos de cordas entre outras obras para conjuntos de câmara.

Comentários