Artigo

Ricardo Fonseca Mota representa Portugal no Festival do Primeiro Romance em Budapeste

O escritor Ricardo Fonseca Mota vai representar Portugal no Festival do Primeiro Romance, no âmbito da XXIV Feira Internacional do Livro de Budapeste, anunciou hoje a editora.

Entre 20 e 23 de abril, decorre o Festival do Primeiro Romance, uma iniciativa integrada na XXIV Feira Internacional do Livro de Budapeste, no complexo cultural Millenáris.

Ricardo Fonseca Mota, vencedor do Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís 2015 com o romance “Fredo”, estará presente em representação de Portugal, anunciou hoje a editora Gradiva, que publicou o livro.

O escritor vai integrar a programação do Festival do Primeiro Romance, que reúne 18 escritores de vários países europeus, cujo romance de estreia se destacou de alguma forma nos seus países de origem.

Assim, Ricardo Fonseca Mota apresentará em Budapeste a sua primeira obra, “Fredo”, publicada em 2016, e estará presente também em painéis de discussão, em mesas redondas e numa leitura pública da obra em húngaro e português.

O livro conta a história de Adolfo Maria, um jovem do interior que se muda para Lisboa à procura de um lugar para ser diferente, e a história de Fredo, um homem que teve quatro famílias e morreu sozinho.

Dois mundos que se tocam, duas histórias em contramão: de um lado a aprendizagem da vida, do outro, a de como se despedir dela, refere a editora, acrescentando tratar-se ainda de um “elogio aos heróis que nunca foram cantados, aos amores sem testemunho, às mortes solitárias”.

Este romance venceu, em 2015, o Prémio Literário Revelação Agustina Bessa Luís, por unanimidade do júri, que tomou em consideração a natureza intrínseca de um romance “narrado na primeira pessoa numa linguagem sóbria (…), assente num registo quase confessional” que “acompanha a descoberta que um jovem vai fazendo dos silêncios e da solidão que sempre acabou por marcar os horizontes de vida e, sobretudo, as suas mágoas e tristezas”.

O Festival do Primeiro Romance de Budapeste é um evento que conta com a participação regular do Centro de Língua Portuguesa do Instituto Camões em Budapeste desde 2006.

Ricardo Fonseca Mota sucede a Djaimilia Pereira de Almeida, Bruno Vieira Amaral e Ana Margarida de Carvalho no festival que já acolheu também autores como Jacinto Lucas Pires, João Tordo e Rui Cardoso Martins.

Ricardo Fonseca Mota nasceu em Sintra em 1987, cresceu em Tábua e posteriormente em Coimbra, onde se formou em Psicologia.

Sob o pseudónimo Ricardo Agnes, já havia publicado o livro de poesia "In Descontinuidades" (2008), assim como textos nas revistas Oficina de Poesia (2009), Via Latina (2009 e 2011), Rua Larga (2009).

O autor é um dos fundadores do Grupo de Expressão Dramática InterDito, para o qual escreveu vários textos incluídos nas peças "Sentir tudo de todas as maneiras" e "Self-Service".

Em 2008, venceu o concurso i(M)agos-manifestações da imaginação, na categoria de escrita criativa de poesia (2008), no âmbito da Semana Cultural da Universidade de Coimbra.

Comentários