Artigo

Rodrigo Serrão toca 'chapman stick' no seu primeiro disco a solo

O compositor Rodrigo Serrão apresenta no sábado, no Cartaxo, o seu primeiro disco a solo, “Stick to the Music”, constituído por 12 temas, no qual pela primeira vez um músico português utiliza o 'chapman stick'.

No álbum, gravado em finais do ano passado, Rodrigo Serrão utiliza um instrumento denominado 'chapman stick' que define da seguinte forma: “Imagine um piano, uma guitarra, um contrabaixo e uma harpa todos combinados num único instrumento".

Rodrigo Serrão, que acompanhou, entre outros, a fadista Katia Guerreiro, é o primeiro músico português a utilizar o 'chapman stick', instrumento criado pelo músico de jazz Emmett Chapman, nascido há 80 anos nos Estados Unidos, embora o primeiro português a ter um tenha sido o músico Ricardo Mendes, 'stickista' do Porto.

Sobre este trabalho discográfico, o compositor e produtor explicou que partiu do repertório clássico e de peças tradicionais de raiz europeia, propondo “um concerto especialmente concebido para explorar emoções e viajar através da música”.

“Stick to the Music” é também o primeiro disco em que Rodrigo Serrão dá a conhecer a sua voz, logo no primeiro tema, “Hei-de Amar-te a Vida Inteira”, cuja interpretação partilha com Fernanda Paula.

O músico atua no Centro Cultural do Cartaxo, no sábado às 21:30, subindo também ao palco os músicos Maria Ana Bobone, Fernanda Paula, Joana Pessoa e André Peres.

No livrete, o músico afirma: “Este disco é para as pessoas que comigo se atiram no escuro quando tudo é incerteza e ainda nada se sabe”.

O álbum inclui, entre outros temas, “Canção de Alcipe” (Armando Rodrigues/Afonso Corrêa Leite), “Dança Palaciana” (Carlos Paredes), “Um Bom Dia” (Rodrigo Serrão) ou a canção tradicional irlandesa “Saddle the Pony”.

Com 25 anos de carreira, músico, letrista e produtor, Rodrigo Serrão começou os estudos musicais aos sete anos, tendo-se iniciado na flauta transversal no Conservatório de Coimbra e estudado guitarra, baixo, piano e ainda contrabaixo.

Sendo este o seu primeiro álbum a solo, o músico participou em mais de 100 discos com nomes como José Cid, Paulo de Carvalho, Anabela, Romana, Vicente da Câmara, Pedro Barroso, o agrupamento Rouxinol Faducho, Mikkel Solnado, Dulce Pontes e Maria Ana Bobone, com quem realizou uma parceria em 2011, acompanhando-a ao piano na interpretação de fados.

Sobre a escolha do repertório do álbum, Rodrigo Serrão afirma: “Há algo que reconhecemos sempre neste sentir português… Não se reduz às características de uma linguagem musical e está muito para lá dos instrumentos que a tocam. Na verdade está em todo o lado: na terra, na água, nos silêncios, nos olhares e nas palavras e, para nós, traduz-se sobretudo entre pausas, na escolha segura de certas notas”.

Comentários