Artigo

"Quem inventou o amor?": Salvador Sobral canta acompanhado por Caetano Veloso

Salvador Sobral cantou "Nem Eu" acompanhado pela guitarra de Caetano Veloso.

Salvador Sobral foi assistir ao concerto de Caetano Veloso no Casino Estoril. No final do espetáculo, o vencedor do Festival Eurovisão da Canção cantou o tema "Nem Eu", acompanhado à guitarra pelo músico brasileiro. O momento foi partilhado nas redes sociais.

"Não fazes favor nenhum em gostar de alguém/ Nem eu, nem eu, nem eu/ Quem inventou o amor não fui eu/ Não fui eu, não fui eu, não fui eu, nem ninguém" é o primeiro verso do tema originalmente cantado por Nana Caymmi. Salvador incluiu o clássico da música brasileira no seu disco de estreia, "Excuse Me".

Veja o momento gravado na casa da fadista Carminho:


Nas redes sociais, o cantor brasileiro partilhou ainda uma fotografia com o vencedor do Festival Eurovisão da Canção, Carminho e Ana Moura.

Durante a final da Eurovisão, Caetano Veloso elogiou Salvador Sobral e o tema "Amar pelos Dois", composto por Luísa Sobral. "É bom demais", disse o artista num vídeo partilhado nas redes sociais.

Salvador Sobral regressa aos concertos já este sábado, 20 de maio. O vencedor da Eurovisão vai atuar no Festival Confluências - Quintas do Barroco do Tâmega e Sousa, que se realiza nas Obras do Fidalgo, em Marco de Canaveses. O espetáculo é de entrada livre.

Questionado pelo apresentador José Carlos Malato sobre se esta vitória significa a entrada do cantor na história, Sobral disse não querer pensar nisso, recordando a digressão que tem agendada para os próximos meses, que depois de Marco de Canaveses, segue para o Cartaxo (26 de maio) e Ovar (27 de maio), antes de prosseguir a 10 de junho em Ílhavo com datas que continuam até agosto.

Salvador Sobral vai atuar ainda Centro Cultural de Belém a 2 de julho, na Casa da Música a 5 do mesmo mês, no Convento de São Francisco a 6.

Praticamente esgotados estão os concertos no Theatro Circo de Braga a 8 de julho e no Fórum Municipal Luísa Todi, em Setúbal, a 11 de agosto, para o qual existiam hoje cerca de 100 bilhetes disponíveis.

A agenda de Salvador Sobral conta ainda com uma atuação a 14 de julho em Odemira e outra a 19 de agosto em Arganil.

Salvador Sobral, 27 anos, venceu no sábado o Festival Eurovisão da Canção, em Kiev, com o tema "Amar pelos dois", escrito pela irmã, Luísa Sobral.

A visibilidade nacional e internacional surge um ano depois de ter editado o álbum de estreia, "Excuse me", marcado pelo jazz e pela pop e com o qual tem andado em digressão pelo país há vários meses.

O disco resume os gostos do cantor, as referências e reúne composições próprias, com Leo Aldrey, e versões de "Autumn in New York", de Vernon Duke, um 'standard' do jazz, ou "Nem eu", de Dorival Caymmi.

Inclui igualmente "I might just stay away", canção escrita por Luísa Sobral, inspirada na obra do trompetista Chet Baker, uma das principais referências do cantor.

Em "Excuse me", Salvador Sobral surge em quarteto, acompanhado por Júlio Resende (piano), que coproduziu o disco, André Rosinha (contrabaixo) e Bruno Pedroso (bateria).

Nascido em Lisboa em 1989, Salvador Sobral participou, ainda criança, no concurso de talentos "Bravo, Bravíssimo", na SIC, a estação de televisão onde voltaria aos 18 anos, para participar no "Ídolos".

"Sou um inquieto musical, preciso de ter muitos projetos em simultâneo. Estou a preparar um disco de boleros em jazz. É uma dor de cabeça ter tantas facetas. Acabarei por ter tantos heterónimos como Fernando Pessoa", garantiu em entrevista recente ao jornal espanhol El País.

No sábado, ainda em Kiev, nas primeiras declarações depois da vitória, Salvador Sobral disse que "a música não é fogo-de-artifício, é sentimento".

No domingo, ainda de ter sido recebido por centenas de pessoas no aeroporto de Lisboa, o músico disse aos jornalistas que quer "continuar a tocar por aí e a trabalhar no segundo disco", enaltecendo que esta conquista inédita "é um bom passo na música portuguesa".

"Se podemos ajudar de alguma maneira a música portuguesa, eu fico feliz. Espero que lá fora comecem a perceber que a música portuguesa é muito mais do que aquilo que tem chegado", afirmou.

Comentários