Artigo

Chefs, foodies e cientistas juntam-se em "Eat: A História da Comida"

No próximo domingo, a partir das 16 horas, o National Geographic Channel (NGC) estreia "Eat: A História da Comida", série de seis episódios que conta com mais de 70 depoimentos de nomes do mundo gastronómico.

Há mais de 50 anos, Julia Child apareceu na televisão para promover o seu livro de cozinha e, involuntariamente, lançou o mediatismo sobre o mundo da comida. Desde essa altura, já nasceram centenas de celebridades da culinária televisiva, milhares de horas de programas sobre cozinha e múltiplas distribuidoras e canais dedicadas, exclusivamente, a este tipo de produto televisivo.

No dia 25 de janeiro, o NGC apresenta "Eat: A História da Comida" e promote satisfazer várias questões sobre a evolução da comida no decurso da humanidade, desde os antepassados que atiravam carne crua para o fogo a equipas de técnicos laboratoriais que aperfeiçoam uma batata frita. O programa irá mostrar ainda como é que esta evolução sobre o que comemos e como o comemos permitiu definir a civilização e as culturas em todo o mundo.

A ajudar a servir este buffet livre de informação, o NGC realizou quase 70 entrevistas originais a chefs, autores, foodies e cientistas, incluindo nomes como Nigella Lawson, José Andrés, Rachel Ray, Dan Barber, Anna Boiardi, Graham Elliot, Eric Greenspan, Kerry Hefferman, Padma Lakshmi ou Richard Wrangham, entre muitos outros.

Cada um dos seis episódios, centra-se num tema diferente: revolucionários da cozinha, carne, açúcar, marisco, comida de plástico e grãos. Através de todos os episódios, o grupo de embaixadores mencionados atrás vai partilhar as suas histórias pessoais e reflexões sobre a comida, olhando para o passado dos ingredientes e fazendo uma previsão do futuro gastronómico e do impacto cultural da nossa própria concepção de comida. O autor Simon Majumbar faz um sumário desta temática quando afirma: “Existem muito poucas ocasiões na vida de uma família de qualquer cultura que não seja marcada por uma refeição; desde um recém nascido a um velório irlandês, e a todos os momentos intermédios”.

Comentários