Artigo

Correio da Manhã TV arranca em altura de crise

Novo canal por cabo arranca já em março.

O presidente da Cofina, Paulo Fernandes, afirmou esta quinta-feira que o canal de televisão por cabo do Correio da Manhã TV (CMTV) vai iniciar a sua emissão numa altura de crise, em março deste ano, por ser “um bom projeto”.

“Os bons projetos são lançados em altura de crise, porque esta nos obriga a sermos muito realistas, muito rigorosos com os orçamentos, com aquilo que podemos pagar e gastar, e quando os tempos melhorarem só teremos a beneficiar com isso, porque nascemos numa altura de grande contenção e de grande rigor”, avançou Paulo Fernandes à imprensa num encontro em Lisboa de apresentação de mais pormenores sobre o lançamento do novo canal de televisão.

De acordo com o diretor de informação, Octávio Ribeiro, o CMTV é um canal de televisão generalista com programas diários de entretenimento onde pontuam “o humor, a sensualidade e os concursos”, além da informação que terá sempre prevalência.

O novo canal de televisão por cabo a ser distribuído em exclusivo pela MEO, operador da Portugal Telecom (PT), parte do “zero tecnológico”, explicou o jornalista, lembrando que “por ser tão ágil e por ter uma espécie de sinergia com o Correio da Manhã, quer com os outros títulos do grupo, é a primeira televisão mamífera”.

O CMTV vai tirar proveito das sinergias dos diferentes títulos do grupo Cofina - Correio da Manhã, Jornal de Negócios, Record, Sábado, Máxima, entre outros, e contará com cerca de 80 profissionais em regime de exclusividade e emitirá 24 horas por dia.

A sua programação irá contar com uma grelha com 15 a 18 horas de programação em direto, o que lhe permitirá privilegiar a interatividade com os telespectadores e a televisão vai desenvolver um jornalismo “popular, de qualidade e proximidade”, explicou Octávio Ribeiro, destacando também que é mais “uma plataforma de comunicação do projeto Correio da Manhã".

Octávio Ribeiro, o diretor do canal, vai trabalhar com Armando Esteves Pereira e Eduardo Dâmaso que pertencem ao grupo Cofina e com Carlos Rodrigues que vem da SIC e José Carlos Castro, que saiu da TVI e que são resforços na área da televisão.

@Lusa

Comentários