Artigo

Já há substituto para Jon Stewart em "The Daily Show"

O sul-africano Trevor Noah, de 31 anos, substituirá Jon Stewart no talk show noturno "The Daily Show", anunciou nesta segunda-feira a produção do programa.

"Muito animados por receber o nosso novo anfitrião: @trevornoah!", pode ler-se na conta de Twitter do "The Daily Show", numa referência ao comediante de stand-up que vai conduzir o programa do Comedy Central.

"Ninguém pode substituir Jon Stewart. Mas ao lado da incrível equipa do Daily Show, continuaremos a fazer deste o melhor programa de notícias", declarou Noah também no Twitter.

O canal Comedy Central informou a 10 de fevereiro que Stewart deixaria de apresentar o programa depois de 16 anos no ar.

Stewart, de 52 anos, começou a sua carreira artística no teatro e ganhou 20 Grammys pelo seu programa e também como produtor de outro talk show, "The Colbert Report", que era apresentado até há alguns meses por Stephen Colbert.

A nomeação de Noah foi uma surpresa. O jovem chegou a fazer algumas aparições no "Daily Show" como colaborador, mas não é uma figura familiar da televisão americana.

O próprio mostrou-se surpreendido e declarou o New York Times que nem acreditou na confirmação "nas primeiras horas".

De acordo com o Comedy Central, Noah pode, no entanto, reivindicar o título de melhor comediante da África.

"Trevor Noah tem um enorme talento. Tem um ponto de vista perspicaz e original e, acima de tudo, é incrivelmente engraçado", assegurou a presidente do Comedy Central, Michele Ganeless, em comunicado.

Nascido em pleno apartheid de uma mãe sul-africana negra e um pai suíço e branco, Noah começou a dedicar-se desde muito cedo à comédia. Em 2012 chegou ao mercado norte-americano, apresentando-se pela primeira vez no "The Tonight Show" e, um ano depois, noutro programa popular, "Late Show with David Letterman".

Noah apresentava, às terças-feiras, um talk show humorístico em Mascate (Omã) e em abril tem programado uma série de espetáculos em Arlington e West Nyack (nos EUA), segundo o seu site.

@AFP

Comentários