Artigo

LG e Netflix unem-se para criar conteúdos para TVs ultra HD

A sul-coreana LG Electronics anunciou nesta segunda-feira uma aliança com o grupo de vídeo on demand americano Netflix com o objetivo de conseguir conteúdos adaptados para os seus televisores de última geração - os aparelhos de ultra alta definição (ultra HD, ou 4K).

Todos os televisores ultra HD da LG que puderem ser liados à internet pelo sistema operacional webOS transmitirão filmes e séries em streaming e sem precisar de download prévio do catálogo da Netflix, anunciaram ambas as empresas numa conferência de imprensa, organizada em Las Vegas, na véspera da abertura do Salão Internacional da Eletrónica de Consumo (CES).

"Quem investir nos televisores 4K da LG poderá ver os conteúdos do Netflix. Isso estará em funcionamento este ano", afirmou o diretor-geral do grupo do vídeo online, Reed Hastings. O executivo ressaltou que o seu serviço propõe a difusão em tempo real de vídeos filmados e pós-produzidos, segundo as pautas da ultra alta definição. Esse será, por exemplo, o caso de uma das mais populares séries da casa, "House of Cards".

Os televisores ultra HD, também denominados 4K em referência à resolução das suas telas, que alcançam quase 4000 pixels (3.840 x 2.160), estão na vanguarda da tecnologia desde o ano passado. Os fabricantes não se cansam de exaltar a sua qualidade "cinematográfica" e as imagens claras e de alto contraste que esses televisores oferecem.

A adoção por parte dos consumidores continua a ser lenta, e um dos travões, segundo os especialistas, é a falta de conteúdo adaptado para a sua definição que justifique o investimento. "O streaming será a principal forma pela qual os consumidores receberão os conteúdos 4K", acrescentou Hastings.

Este ano, a maioria dos grupos eletrónicos apresenta novos modelos de televisores ultra HD no CES. Nesta segunda, a LG anunciou uma série de novos modelos, um deles com uma tela gigante curvada com uma diagonal de 2,66 metros. O equipamento deve estar disponível no mercado em junho.

@AFP

Comentários