Artigo

O triunfo das séries que não nasceram na televisão

As séries dos serviços de streaming têm conquistado terreno nos últimos anos.

A British Academy of Film and Television Arts revelou a lista de nomeados para a edição de 2017 da vertente de televisão dos prémios BAFTA (os prémios de cinema já foram entregues no início do ano). "The Crown", série original da Netflix, lidera as nomeações aos prémios que distinguem anualmente o melhor que se faz em televisão.

Num artigo de análise aos nomeados aos BAFTA TV, o The Guardian analisa que a indústria tem assistido ao "triunfo das séries de televisão que nunca foram transmitidas na TV". "As listas dos BAFTA mostram-nos um freeze-frame anual das tendências da TV. E o mais impressionante deste ano é que duas das mais fortes concorrentes nunca foram exibidas na televisão", frisa o jornal britânico.

Transmitida pela Netflix, "The Crown" conta com cinco nomeações, ficando à frente de todas as produções exibidas pela BBC, o canal que historicamente mais produz no Reino Unido, segundo o The Guardian. Já a BBC 3, canal que foi empurrado para o online em 2016, conseguiu oito nomeações pelos dramas "Murdered by My Father" e "Thirteen" e pelas comédias "Fleabag" e "People Just Do Nothing" .

Na categoria que premeia séries produzidas fora do Reino Unido, as séries exibidas em serviços de streaming também conquistaram mais terreno este ano. "Stranger Things", da Netflix, e "Transparent", da Amazon (em Portugal, a série é transmitida pelo TV Séries), competem com "The Night Of", da HBO, "American Crime Story: O Caso de OJ Simpson", da FOX.

As nomeações aos prémios que premeiam o melhor do que se faz em televisão são um indicador do sucesso das séries, mas as redes sociais também ajudam a medir a popularidade das produções. Nos últimos anos, séries da Netflix como "House of Cards" (em Portugal, a série é transmitida pelo TV Séries mas também está disponível no serviço de streaming), "Narcos", "Stranger Things" e, mais recentemente, "Por Treze Razões" têm conquistado os utilizadores das redes sociais, dominando, por exemplo, os temas de conversa no Twitter.

Ver artigo completo

Comentários