Artigo

Passatempo "Etiquetados": ganhe packs do Canal História

O Canal História estreou "Etiquetados" a 27 de março, às 23h30.

O programa explora tópicos, estereótipos e preconceitos, etiquetas implementadas na nossa sociedade. O ser humano utiliza-as todos os dias. Concebemos o mundo através delas. Nada escapa ao processo de rotulagem: pessoas, empresas e até países. Mas são estes rótulos reais? Têm fundamento? É mesmo verdade?

Pasatempo pack exclusivo do canal História

Qual o estereótipo mais absurdo atribuído ao povo português? As três respostas mais originais a esta pergunta, enviadas por e-mail, ganharam um pack exclusivo do História composto por: 1 sweatshirt, 1 casaco, 1 caneca, 1 caneta e 1 boné.

Vencedores do passatempo:

Maria Costa, de Braga: "Que somos um povo triste - creio não ser verdade dado que estamos sempre prontos para a folia, vejamos o caso do carnaval que deixou de ser dada tolerância ponte e mesmo assim o pais para e festeja a folia do carnaval."

Nuno Antunes, de Sines: "Pessoalmente, acredito que o estereótipo mais absurdo atribuído ao povo português é o de não querermos trabalhar. Isto demonstra um total desconhecimento da nossa história, desde o tempo dos Descobrimentos, bem como das recentes ondas de emigração nos últimos anos e décadas. É igualmente absurdo pois as mesmas pessoas que podem dizer tal estereótipo, também são capazes de afirmar que os portugueses são muito bons trabalhadores quando emigram e se encontram noutros países. Olvidam igualmente os inúmeros prémios e mostras de talento e empreendedorismo em todas as áreas que Portugal frequentemente apresenta."

Sara Soares, de Vila Franca de Xira: "Estereótipos... estereótipos...
Não o chamaria de estereótipo absurdo, mas sem dúvida que é estranho.
Aquela famosa reputação de que as mulheres portuguesas têm bigode. E às vezes até insinuam que é um bigode maior do que os dos homens!
O que de facto me deixa a pensar onde é que este estereótipo começou. Talvez há uns bons anos atrás, uns 500 anos para aí, talvez as mulheres portuguesas mais ‘rurais’ tivessem um bigodinho. Pêlo facial a mais... Mas é realmente absurdo, e agora sim utilizo o adjectivo, como ainda nos dias de hoje ouve-se falar em portuguesas com bigode!
Quando falo com os meus amigos estrangeiros e o tema do bigode vem à tona, até fico meio envergonhada. Conseguem imaginar a típica cena de nos escondermos pela cadeira abaixo? Essa sou eu com este tema.
Mulheres com bigode… há estereótipo pior?
Podemos ser preguiçosos, podemos andar sempre atrasados, podemos andar sempre tristes e lamentarmo-nos da vida e da crise, mas isto é ser um verdadeiro português! (Até porque se não andássemos tristes, seriamos ainda mais confundidos com os nossos hermanos espanhóis.)
Agora… o bigode nas mulheres é sem dúvida o estereótipo que mais me aterroriza. Uma coisa é buço, os pequenos pêlos que todas as mulheres têm, e em muitas nem se vêem! Mas o bigode é um nível completamente diferente.
Por isso, penso que este estereótipo precisa de ser reformulado. Acredito que sempre houve e continua a haver beleza feminina em Portugal! Mas já não existem bigodes femininos. Já não estamos em 1500 e tal.
(E mesmo se ainda existirem um ou outro caso, a depilação trata disso hoje em dia, não?)"

O passatempo terminou às 15h00m de 6 de abril de 2015.

Só foram consideradas válidas as propostas de participantes que fizeram "gosto" na página de Facebook do SAPO.

A participação nos passatempos não é permitida aos colaboradores da PTC.

Comentários