Artigo

Terceira temporada de "House of Cards" promete tensão conjugal

O maquiavélico casal Underwood, da série "House of Cards", está de volta nesta sexta-feira, agora finalmente no poder, na muito esperada terceira temporada da produção do Netflix.

créditos: TV

Como fez nas duas outras temporadas, o site de streaming de vídeos colocará no ar a 27 de fevereiro os 13 episódios da temporada, permitindo a milhões de seguidores - o Netflix nunca dá numeros de audiência - assistir à série ao seu próprio ritmo. Em Portugal, no entanto, os novos episódios estreiam no canal TV Séries, a partir de 28 de fevereiro, às 21 horas, ao ritmo de um por semana, aos sábados.

No final da segunda temporada, os espectadores deixaram Frank Underwood quando ele estava prestes a assumir a Presidência dos Estados Unidos, a jóia da coroa conquistada à custa de crimes e outras jogadas sujas.

"O presidente Underwood tentará perpetuar o seu legado" em relação à sua reeleição, diz um trailer. A sua esposa, Claire (Robin Wright), "quer mais do que o papel de primeira-dama. A maior ameaça que vão encarar é a enfrentarem-se um ao outro", diz outro anúncio.

Segundo as imagens avançadas, o casamento parece tremer no meio da agitação política e diplomática que o novo presidente terá de enfrentar, provavelmente com violência, manipulação e cinismo.

A 11 de fevereiro, durante meia hora, dez episódios da terceira temporada foram para o ar, aparentemente por engano. O Netflix alegou um "problema técnico" antes de publicar um tweet irónico: "É Washington, há sempre fugas de informação".

Apesar da popularidade, permanece a pergunta sobre se "House of Cards" resistirá ao "cansaço da trama", segundo especulou o Hollywood Reporter. "Este tipo de série, elegante, com personagens bem interpretadas, não pode continuar sem um fim", declarou à AFP Robert Thompson, professor de televisão e cultura popular da Universidade de Syracuse. "Precisamos de um início, de um meio e de um fim", completou.

@AFP

Comentários