Artigo

Vasco Palmeirim: «Não me sinto o rapaz-maravilha»

O jovem humorista abraça mais um projeto na RTP, desta vez como coapresentador do “The Voice Portugal” ao lado de Catarina Furtado, e vai acumular a função com “Sabe ou Não Sabe” e as manhãs na Rádio Comercial. “Vou morrer de cansaço mas, ao menos, espero que filmem”, diz, bem disposto, ao SAPO TV.

Sendo conhecida a sua apetência pela música, vamos correr o risco de o ver roubar o microfone aos concorrentes no “The Voice Portugal”?
Não! Eles sabem cantar, eu não. Estou lá para os fazer sentir bem, para unir as pontas e para fazer com que que não fiquem tão nervosos. Prometo que não vou cantar.

Quais as suas expetativas de ir trabalhar com a Catarina Furtado?
Vai ser engraçado. Já estivemos no mesmo programa, “O Feitos ao Bife”, embora nunca tenhamos trabalhado juntos. Vamos tentar fazer dali uma coisa engraçada, gostamos muito um do outro e vamos tentar um equilíbrio.

Este programa vai também ser um bocadinho diferente daqueles que está habituado a fazer. Como encara este projeto?
“O Sabe ou Não Sabe” acho que é a minha cara, porque consigo saltar, ser louco, não tenho que respeitar o plano e giro aquilo um bocadinho à minha maneira. Aqui é diferente, mas também envolve muita coisa de que gosto. Tem o fator entretenimento, trabalho com uma equipa muito boa e tem música, que é uma coisa que eu adoro. Tem tudo para resultar.

Sente-se o “rapaz-maravilha” da RTP neste momento?
Não, nunca! Sinto-me apenas alguém que trabalha. Os programas que tenho feito têm resultado bem, a rádio Comercial e as redes sociais também ajudam bastante. A RTP também gosta e acha que o meu estilo se adapta ao “The Voice”. Eu também, e pronto, estamos todos contentes.

Vai estar envolvido em vários projetos em simultâneo. Como vai gerir tudo isso?
São todos projetos de que gosto. Mas, vendo bem, vou estar no ar ao sábado com o “Sabe ou Não Sabe” e ao domingo com o “The Voice”. Vou estar a gravar pelo país inteiro o “Sabe ou Não Sabe” e a Rádio Comercial de segunda a sexta-feira. Ok, vou morrer de cansaço mas, ao menos, espero que haja por ali uma câmara ligada e que filmem!

E a vida familiar, como fica?
Tenho a perfeita noção que vai ser complicado, mas sei no que me estou a meter. No entanto, vou já avisar os meus amigos e a minha família que tão cedo não me vão ver. Se me quiserem ver liguem a televisão.

Espaço para folgas também não vai haver...
As folgas vão ser para dormir. Hoje, por exemplo, adormeci num centro comercial quando estava sentado à espera para almoçar. E o trabalho ainda não começou a sério!

É uma pessoa organizada?
Estou cada vez mais organizado porque sinto que sem disciplina isto não vai dar. Até já tenho uma agenda, programo tudo, calculo horas para dormir. Tem de ser assim, foi a vida que escolhi e há que aproveitar, porque as coisas não caem do céu. Acho que trabalhei para as coisas correrem bem, acho que consegui e agora é continuar a trabalhar.

Comentários