Artigo

"iZombie" – 1×01 – Pilot

"iZombie", a nova série da CW, inspirada nos comic books da Dc Comics com o mesmo nome, segue a peculiar história de Liv, uma médica interna, com uma carreira de sucesso pela frente, é transformada em zombie numa festa deveras estranha. A sua vida sofre uma mudança brutalmente radical e, graças à sua alimentação à base de cérebros extra-picantes, consegue manter a sua humanidade, enquanto ajuda a desvendar os crimes daqueles de quem se alimenta.

Olivia (Rose McIver), mais conhecida por Liv, tem uma vida perfeita: é uma excelente médica, reconhecida pelos seus pares, e está noiva de um homem de sonho, Major (Robert Buckley). É no desfecho de um dia de trabalho, e incentivada pelo noivo, que Liv aceita ir a uma festa num barco. Hesitante, aceita… e começa a rápida e estranha transformação da nossa personagem central. Como seria de esperar, Liv está como um peixe fora de água, não conhece ninguém e recusa-se a consumir a droga da moda, Utopium. Subitamente, boa parte dos festivaleiros transformam-se em zombies sedentos de sangue, ou melhor, de cérebros! Liv quase escapa, no entanto, é mordida ou arranhada (a cena foi tão confusa que não percebi) e cai à água. Acorda, na manhã seguinte, dentro de um saco de morgue, já transformada.

Cinco meses se passaram desde a fatídica noite e a vida que Liv tinha nada mais parece um sonho distante, daqueles que se esconde num dos cantos mais escuros da nossa memória. Liv deixou o seu emprego no hospital e trabalha agora numa morgue, sob a direção de Ravi (Rahul Kohli), o peculiar médico legista que adora jantar na presença de cadáveres. A sua vida amorosa foi pelo cano abaixo, assim que tomou consciência do seu estado, Liv rompeu o noivado com Major e segue uma vida solitária, em que nem a melhor amiga, Peyton (Aly Michalka), a entende. Apesar de todas as alterações corporais (cor do cabelo, palidez, olhos escuros), a sua família não entende a mudança comportamental de Liv e tentam, a todo o custo, que ela volte ao seu estado anterior.

O quotidiano de Liv é muito rotineiro: faz autópsias e, aproveitando a ausência do seu chefe, rouba parte dos cérebros para se alimentar… geralmente, segundo o que nos foi mostrado, eles caem bem com massa e molho picante! Surpreendentemente, Ravi descobre o segredo de Liv e parece que ganhou a lotaria. Sim, é verdade… Ravi adorou saber que Liv é um zombie e decide estudá-la ao máximo, numa tentativa de ajudar a reverter o seu quadro patológico.

Porém, a vida de Liv merecia ainda mais umas complicações e ela torna-se a assistente preferida de Babinaux (Malcolm Goodwin). Pois é, o detetive, recém-chegado à cidade, quase acredita que Liv é médium e leva-a nas suas incursões pela cidade em busca dos assassinos de uma acompanhante de luxo. O que Babinaux não sabe é que os poderes mediúnicos de Liv se devem à sua rigorosa dieta alimentar de cérebros humanos! Assim que os consome, além de manter a sua humanidade, Liv assume algumas das características dessa pessoa e vê fragmentos da sua vida.

Nesta correria pela cidade, Liv leva um tiro, salta para cima de um carro e provoca um acidente de modo a capturar o polícia criminoso que queria matar as restantes acompanhantes de luxo. Já no fim do episódio, e em modo de assumir a sua nova missão, Liv finalmente consegue dormir pela primeira vez em cinco meses!

Terminou assim o piloto da mais recente série da CW. Sendo difícil caracterizá-la, defini-la-ia como uma comédia leve, condimentada com um toque de drama sobrenatural e uma pitada de tipo policial. Não sendo uma série totalmente original no seu género, podemos facilmente identificar traços de Ghost Whisperer, Tru Calling e até do filme Warm Bodies, onde os zombies até conseguem ser giros e fofinhos. Como já deu para perceber, não achei que se trata da série perfeita, mas é agradável, engraçada e ideal para ocupar um lugar vago na vossa preenchidíssima agenda de seriólicos!

Nota: 7/10

Rui André Pereira

Artigo do parceiro

Comentários