Artigo

"The Astronauts Wives Club": primeiras impressões da nova série da ABC

AVISO: artigo com SPOILERS

Esta nova série da ABC não tem nada de realmente novo. Sete mulheres são esposas de astronautas que fazem parte do Projeto Mercúrio, o primeiro programa de tripulação especial da NASA. Nos inícios da Guerra Fria, tinha como um dos principais objetivos estabelecer a superioridade americana face aos soviéticos. Dos produtores de "The O.C." e Gossip Girl, "The Astronauts Wives Club" traz-nos roupas fabulosas, drama e romance. Com um bocadinho de "Donas de Casa Desesperadas" à mistura.

Portanto, todas as personagens são baseadas em pessoas reais. Como protagonistas temos a entusiasta Betty Grissom, a sexy Rene Carpenter, a moderna Trudy Cooper, a ousada Marge Slayton, a calada Annie Glenn, e Jo Schirra (que me passou demasiado ao lado para lhe arranjar um adjetivo). Os maridos delas vão ser astronautas e elas elas entregam-se de corpo e alma para os ajudar. A pergunta que se coloca é: qual deles o primeiro a subir?

Marge: We’re just a bunch of housewives.

À medida que o episódio ia avançando, fomos desbravando as vidas destas sete mulheres aparentemente tão normais. Trudy é pilota e casada Gordon Cooper. No entanto, o casamento dos dois é de fachada. Ela tinha-lhe entregue os papéis do divórcio quando ele foi chamado pela NASA e implorou a Trudy que não o deixasse. Tudo pelas aparências. Trudy é a mais moderna das quatro. É a que vemos mais vezes de calças, a que diz o que pensa. Parece ser indiferente ao marido depois de tudo o que lhe fez, mas viu-se que as traições ainda a magoam. Gostei dela, está à frente do seu tempo e parece ser boa amiga. E estas sete vão precisar muito uma das outras.

Marge é outra que não filtra o que diz, mas é muito mais engraçada do que Trudy. E se os esqueletos no armário da primeira deviam-se às indiscrições do marido, as de Marge são a sua ligação com o Japão. Vemos os quimonos dela e as fotografias, mas não sabemos exatamente o que se passa ali. Claro que nesta altura o Japão era tudo menos famoso na América, dado que ainda não tinham passado vinte anos desde o ataque a Pearl Habor.

Louise é esposa do primeiro astronauta americano a ir ao espaço. Mas, claro, nem tudo é perfeito. Alan trai-a sempre que pode e, ao contrário de Trudy, Louise ignora o que se passa. É mais do que óbvio que ama demasiado o marido para o deixar. Para além disso, é muito fechada e fria e é-lhe muito difícil entrar no círculo de amigas. Quando, no final, foi bater à porta de Trudy, não fiquei admirada, mas a cena em que elas estão todas a dançar foi engraçada e mostra o quanto as mulheres conseguem unir-se para ultrapassar as dificuldades e as más alturas.

Em relação às outras, não apareceram o suficiente para sabermos os seus segredos. Betty tem um casamento feliz com Gus e vai a próxima a rezar para que a viagem do marido corra bem. Annie não fala porque é muito gaga. Quanto às outras… bom, só nos próximos episódios!

Gostei. Sou grande fã de Odette Annable, JoAnna García e Erin Cummings e acho que estão bastante bem nos respetivos papéis. Gostei de alternarem imagens reais dos anos 1960 com as da séries, dos cenários e, especialmente do guarda roupa. O grande problema da série é se tem pernas para andar por muito tempo. Acho que é daquelas ideias que provavelmente resultaria melhor num filme do que numa série. Vamos ver o que sai daqui.

Nota: 7.5/10

Maria Sofia Santos

Saiba mais sobre o Séries da TV em www.seriesdatv.pt

Artigo do parceiro

Comentários