Muitos foram os concertos a que já tivemos o privilégio de assistir na sala lisboeta, mas já há muito tempo que a energia não era tão elevada. Acrescentando mais um ponto positivo à chegada, também o palco foi alvo de surpresa para todos, tendo o dobro da expansão a que estamos habituados no Coliseu de Lisboa, proporcionando uma perspetiva ainda melhor do que o habitual.

Deixando toda a energia de lado, o espetáculo começou como todas as nossas manhãs. Um olhar ao espelho, um escovar de dentes e uma entrada em palco em plena banheira, com Agir a colocar o seu público à prova com "Are You Ready?".

"Estou Bem", "Eu Quero" e "Ela é Boa" foram as faixas de entrada que se seguiram, com o cantor a demonstrar toda a sua boa disposição e simpatia em palco, onde não faltaram pulos, acenos e muito, mas muito dabbing.

Depois disso houve também espaço para um dos muitos discursos emocionais do artista que, muito provavelmente devido ao que viemos a assistir mais tarde, parecia estar especialmente inspirado para os temas de família e amor.

"Quem é que tem alguém especial? Quem é que gostava que essa pessoa durasse para sempre? Pois é, vocês são muito especiais para mim, e eu gostava que esta noite durasse para sempre!", discursava perante o público delirante, dando o mote para "One Night Stand".

Agir

Se tivéssemos de apontar algum ponto negativo desta noite, o seguinte seria o eleito. Após uma mudança no ritmo da música, com a chegada da faixa "Leva-me a Sério", não foi possível seguir o conselho do título sugerido. O cenário estava perfeito, as luzes eram as mais indicadas, mas tanto o cantor como o seu guitarrista falharam as suas marcações nos momentos fulcrais da música, ficando na escuridão ao falhar a direção das luzes.

Se o momento anterior não provou o riso, observar milhares de crianças e jovens adolescentes a cantar, em plenos pulmões, a faixa "Deixa-te de Merdas", seria certamente razão suficiente para não aguentar uma gargalhada enquanto se podia observar o ar sereno (ou chocado) dos pais enquanto ouviam os seus filhos a repetir os mesmos palavrões vezes sem conta.

Os convidados especiais foram muitos, como seria de esperar, e não faltaram personalidades como Blaya, com "Yo Yo", C4 Pedro, com "Estragar", ou Filipe Gonçalves, com "Ela Só Quer", faixa que contou com a produção e mistura de Agir.  Os MGDRV também marcaram presença, com "Maroto", e não podiam faltar Dengaz ou Carolina Deslandes em palco.

Sem grandes surpresas, estes dois últimos destacaram-se perante os restantes, com os decibéis a subir além do permitido com a interpretação de "Mountains", de Carolina Deslandes e Agir, ou "Dizer Que Não", com a colaboração de Dengaz e Matay. "É um prazer enorme fazer parte deste momento. Eu sabia que isto ia acontecer", foram as palavras de Dengaz, demonstrando o orgulho em estar a fazer as vezes de Agir, dois anos após a sua própria estreia no Coliseu dos Recreios.

No concerto não faltou também o manifesto contra Donald Trump, na faixa "Nada", e houve ainda tempo para a apresentação ao vivo da nova faixa, "A Noite é Nossa".

Agir

Para o fim deixámos os momentos mais marcantes deste concerto. Para começar, Daniel Oliveira, apresentador de televisão, invadiu o palco de modo a surpreender o cantor, ressalvando que não precisava de perguntar "o que os olhos do Agir dizem, porque os seus olhos falam por si", e prosseguindo com um discurso emocional que culminou na entrega do disco de platina ao cantor.

Visivelmente emocionado, Agir agradeceu a toda a sua família de sangue, e à de escolha, ressalvando a importância destes seus agradecimentos, por mais que se considerasse melhor a cantar do que a falar.

Discursos de lado, e após ter sido tirada a foto do costume, eis que surgem as faixas mais aclamadas do cantor, começando com "Makeup" e passando a "Como Ela é Bela" após um curto encore e uma mudança de roupa radical, com o artista a surgir em palco de fato completo, de um modo como nunca o vimos antes em concerto.

Contudo, tudo ficou explicado quando Agir parou de cantar de modo a chamar a sua namorada ao palco com a intenção de, em frente a todos, pedi-la em casamento. "És a mulher mais especial para mim. Esperei 28 anos para te encontrar, por isso não te vou deixar escapar pelos dedos! Catarina, queres casar comigo?", perguntava o cantor perante o estado incrédulo da sua namorada que, enquanto ambos eram aclamados pelo público, disse o tão desejado "sim".

Após os ânimos terem acalmado, Agir voltou ao palco para se despedir dos seus fãs com as faixas "Parte-me o Pescoço" e "Tempo é Dinheiro", que voltaram a levar o público ao rubro, terminando a noite numa explosão de confetti colorido pelo ar.

E quando há uma noite assim, o batismo de Agir no palco do Coliseu dos Recreios não poderia ter corrido de melhor maneira, especialmente quando se sai com os votos de uma companheira para a vida e de sorriso na cara perante o apoio de toda a família - seja esta de sangue ou de escolha, com a segunda a incluir certamente alguns fãs. E foi a primeira mas não a última, já que há mais um concerto este sábado, no mesmo espaço, embora não prometa tantas surpresas...

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.