Artigo

70ª edição do Festival de Veneza com três cineastas portugueses extra-concurso

O Festival de Cinema de Veneza, que começa hoje e decorre até 07 de setembro, conta com a participação dos realizadores portugueses Miguel Gomes, Teresa Villaverde e João Pedro Rodrigues.

Miguel Gomes estreia-se em Veneza com a curta-metragem «Redemption», uma ficção documental de 26 minutos co-produzida com França, Alemanha e Itália, que será exibida fora de competição, no próximo sábado.

Teresa Villaverde e João Pedro Rodrigues participam no projeto «Venezia 70 – Future Reloaded», com o qual o certame, o mais antigo Festival de Cinema na Europa, assinala a abertura da sua 70ª Edição. Para o projeto, Veneza, que organizou a primeira mostra cinematográfica em 1932, convidou 70 realizadores, a quem deu total liberdade para filmarem uma curtíssima metragem, com a duração máxima de 01:30.

Teresa Villaverde participa no projeto com «Amapola» e João Pedro Rodrigues, com «Alegoria della Prudenza», ao lado de cineastas como o italiano Bernardo Bertolucci, o brasileiro Walter Salles, o iraniano Abbas Kiarostami, o filipino Brillante Mendoza, o grego Yorgos Lanthimos, o chileno Pablo Larraín, o sul-coreano Hong Sang-Soo, os franceses Benoît Jacquot e Claire Denis, a espanhola Isabel Coixet, o tailandês Apichatpong Weerasethakul e os norte-americanos Paul Schrader e James Franco, realizador e ator, entre outros.

«Gravity», de Alfonso Cuarón, em 3D, com George Clooney e Sandra Bullock, abrirá oficialmente o festival, antecedendo a exibição das 70 curtas-metragens de «Venezia 70 – Future Reloaded», que se prolonga por duas horas.

No total, segundo as estatísticas da organização, o festival revelará 54 filmes, das quais 52 em estreia mundial, 20 em competição pelo Leão de Ouro, que será entregue a 7 de setembro.

Durante o certame serão ainda estreadas 14 curtas-metragens. O ciclo Venezia Classici apresentará 29 produções históricas, recém-restauradas, assim como nove documentários.

«Philomena», de Stephen Frears, «The Zero Theorem», de Terry Gilliam, «La Jalousie», de Philippe Garrel, «Ana Arabia», de Amos Gitai, «Child of God», de James Franco, «Miss Violence», de Alexandros Avranas, «Parkland», de Peter Landesman, e «Kaze Tachinu», animação do mestre japonês Hayao Miyazaki, são alguns dos filmes em competição.

Entre os 20 que concorrem ao Leão de Ouro encontram-se pela primeira vez dois documentários: «The Unknown Known», de Errol Morris, uma longa entrevista ao ex-ministro norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, e «Sacro GRA», de Gianfranco Rosi, sobre a circular rodoviária romana.

O realizador italiano Bernardo Bertolucci, de 73 anos, preside o júri do Festival, que inclui a realizadora e escritora britânica Andrea Arnold, a atriz francesa Virginie Ledoyen, o diretor de fotografia franco-suíço Renato Berta e a atriz alemã Martina Gedeck.

William Friedkin, realizador de «O Exorcista», vai receber um Leão de Ouro pela sua carreira.

O cineasta polaco Andrzej Wajda, realizador de «Danton» e de «Um amor na Alemanha», já distinguido com o Leão de Ouro pela carreira, em 1998, vai receber, a 5 de outubro, o prémio especial Veneza Persol, que tem por objetivo «celebrar uma lenda do cinema internacional», de acordo com a organização.

Comentários