Pessoa

Eduardo Coutinho

Eduardo de Oliveira Coutinho

  • BR

  • Nasceu a 11 de Maio de 1933

  • Faleceu a 02 de Fevereiro de 2014

Eduardo de Oliveira Coutinho é um cineasta brasileiro, nascido em 11 de Maio de 1933 na cidade de São Paulo e considerado um dos mais importantes documentaristas da actualidade.

Eduardo de Oliveira Coutinho é um cineasta brasileiro, nascido em 11 de Maio de 1933 na cidade de São Paulo e considerado um dos mais importantes documentaristas da actualidade.

O seu trabalho caracteriza-se pela sensibilidade e pela capacidade de ouvir o outro, registando sem sentimentalismos as emoções e aspirações das pessoas comuns, sejam camponeses diante de processos históricos ("Cabra Marcado para Morrer"), moradores de um enorme condomínio de baixa classe média no Rio de Janeiro ("Edifício Master"), metalúrgicos que conviveram com o então sindicalista Luis Inácio Lula da Silva ("Peões"), etc.

Formação


Eduardo Coutinho cursou a Faculdade de Direito em São Paulo, mas não a concluiu. Em 1954, aos 21 anos, teve seu primeiro contato com cinema no Seminário promovido pelo MASP e dirigido por Marcos Marguliès. Trabalhou como revisor na revista Visão (1954-57) e dirigiu, no teatro, uma montagem da peça infantil Pluft, o Fantasminha, de Maria Clara Machado. Ganhou um concurso de televisão respondendo perguntas sobre Charles Chaplin. Com o dinheiro do prêmio, foi para a França estudar direção e montagem no IDHEC, onde realizou seus primeiros documentários.

Centro Popular de Cultura


De volta ao Brasil em 1960, teve contato com o grupo do Cinema novo e integrou-se ao Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes (CPC da UNE). No núcleo dirigido por Chico de Assis, trabalhou na montagem da peça "Mutirão em Nosso Sol", apresentada no I Congresso dos Trabalhadores Agrícolas que aconteceu em Belo Horizonte em 1962. Foi gerente de produção do primeiro filme produzido pelo CPC, o longa-metragem de episódios Cinco Vezes Favela.

Escolhido para dirigir a segunda produção do CPC, Coutinho começou a trabalhar num projeto de ficção baseado em fatos reais, reconstituindo o assassinato do líder das Ligas Camponesas João Pedro Teixeira, a ser interpretado pelos próprios camponeses do Engenho Cananéia, no interior de Pernambuco, inclusive a viúva de João Pedro, Elizabeth Teixeira, que faria o seu próprio papel. O filme se chamaria Cabra marcado para morrer, e chegou a ter duas semanas de filmagens, até o Golpe Militar de 1 de Abril de 1964. Parte da equipe foi presa sob a alegação de comunismo e o restante se dispersou, interrompendo a realização do filme por quase 20 anos.

Filmes de ficção


Em 1966, Coutinho constituiu, com Leon Hirszman e Marcos Faria, a produtora Saga Filmes. Dirigiu um episódio do longa "ABC do Amor", foi diretor substituto em "O Homem que Comprou o Mundo" (1968) e realizou uma adaptação de Shakespeare para o cangaço brasileiro, em que o personagem Falstaff tornou-se "Faustão" (1970).

Especializando-se em roteiro, foi co-roteirista de vários títulos importantes do cinema brasileiro, como A Falecida (1965) e Garota de Ipanema (1967) de Leon Hirszman, Os Condenados de Zelito Viana (1973), Lição de Amor de Eduardo Escorel (1975) e Dona Flor e Seus Dois Maridos de Bruno Barreto (1976).

Globo Repórter


Em 1975, passou a integrar a equipe do programa Globo Repórter, da TV Globo, juntamente com Paulo Gil Soares, João Batista de Andrade e outros. Permaneceu no programa até 1984, sempre rodando em 16 mm, com uma liberdade editorial surpreendente para a época, e acabou descobrindo sua vocação de documentarista em trabalhos inovadores como "Teodorico, o Imperador do Sertão", sobre o líder político nordestino Theodorico Bezerra.

Cabra Marcado para Morrer


Em 1981, Coutinho reencontrou os negativos de Cabra marcado para morrer, que haviam sido escondidos da polícia por um membro da equipe, e resolveu retomar o projeto. Conseguiu localizar Elizabeth Teixeira em São Rafael, no interior do Rio Grande do Norte, mostrou-lhe o que havia sido filmado em 1964 e filmou o depoimento dela sobre a dispersão de sua família após a interrupção do filme.

A partir daí, a "ficção baseada em fatos reais" transforma-se num dos mais extraordinários documentários jamais filmados, retratando e acompanhando as tentativas de Elizabeth por reencontrar seus filhos, em diferentes pontos do país, e refletindo sobre o que aconteceu com a sociedade brasileira no longo período da Ditadura Militar. O filme ficou pronto em 1984 e ganhou 12 prêmios em festivais internacionais, no Rio de Janeiro, Havana, Paris, Berlim, Setúbal, etc.

Documentarista


Após o sucesso de "Cabra marcado para morrer", Coutinho afastou-se do Globo Repórter e passou alguns anos trabalhando com documentários em vídeo para o CECIP (Centro de Criação da Imagem Popular), com temas ligados a cidadania e educação. São dessa época projetos como "Santa Marta" e "Boca de lixo", visões humanistas e pessoais sobre indivíduos e populações marginalizadas. Também escreveu roteiros para séries documentais da TV Manchete, como "90 Anos de Cinema Brasileiro" e "Caminhos da Sobrevivência" (sobre a poluição em São Paulo).

Em 1988, com o centenário da Abolição da Escravatura, foi estimulado pela então Secretária de Cultura do Rio de Janeiro, Aspásia Camargo, a realizar um documentário sobre a população negra na História do Brasil. "O Fio da memória", centrado na figura do artista popular Gabriel Joaquim dos Santos, só viria a ser concluído três anos mais tarde, com o apoio das emissoras de televisão La Sept ( França) e Channel Four ( Inglaterra).

Em 2004, a pesquisadora Consuelo Lins publicou, pela editora Zahar, "O Documentário de Eduardo Coutinho".

Retirado de Sapo Saber a 24-05-2010

Comentários